Postagem em destaque

VOTE AGORA!!! SUPERCAMPEONATO - VOTE AGORA PARA DECIDIR O SUPERCAMPEÃO

VOTE AGORA!!! Tem um título em jogo e você poderá decidir o quem será o supercampeão do Concurso de Enredos 11!!! Confira os 5 e...

Atenção carnavalescos e presidentes de escolas de samba!

Atenção carnavalescos e presidentes de escolas de samba!
Gostou de uma ideia, Clique na lâmpada e leia a nossa recomendação!

terça-feira, 22 de julho de 2014

SEXTO CONCURSO DE ENREDOS

Todos os enredos enviados de agora em diante estão automaticamente inscritos no SEXTO CONCURSO DE ENREDOS.


Atenção para as datas:

NÃO DEIXE DE LER O REGULAMENTO DO SEXTO CONCURSO DE ENREDOS!!!

Prazo final para entrega dos enredos: 29 de Setembro de 2014
Julgamento dos jurados: 1 de Outubro até 31 de outubro de 2014
Apuracão do SEXTO CONCURSO: 8 ou 9 de Novembro, 16 horas, em local a combinar.

Os jurados julgam o quinto concurso, mas a luta pelo Sexto Concurso também começa agora! 


Mudanças:
O regulamento ficará um pouco mais simples, mas sem grandes alterações.

Devemos ter mudanças nos quesitos.
O sub-quesito Carnavalização deve novamente se separar do quesito DESENVOLVIMENTO. Mas agora se une com o quesito CONJUNTO. Acho que o quesito Conjunto ganha com a união com carnavalização. Analisando assim se o enredo como um todo está pronto para o desfile, se foi carnavalizado, etc...

Para quem não participou dos primeiros concursos, o quesito carnavalização era um quesito único. Neste concurso procurando reduzir a técnica e priorizar a temática, eu uni carnavalização e desenvolvimento. Eu ainda troquei de posição os quesitos de Exploração temática e Explicação, procurando deixar a Exploração temática como quesito principal, depois do conjunto geral. Essa mudança será mantida para o sexto concurso.

Uma nova obrigatoriedade será incluída que é a EXPLICAÇÃO INICIAL dos setores no desenvolvimento. Essa explicação é um simples resumo da ideia de cada setor, que facilita muito o julgamento dos enredos, pois temos explicada a proposta geral do setor, uma simples olhada em alas e carros já temos uma noção se o autor conseguiu representar aquilo que pretendia, além de uma clara noção dos capítulos do enredo. 

ex: 1º setor – “A estrela do morro”
                Este pequeno setor retrata o nascimento de Valesca, no bairro do Irajá. Teve uma infância simples, sua mãe trabalhava de faxineira. Mas desde sempre já tinha o dom de encantar as pessoas com sua graça.
Comissão de Frente – Encantos de Valesca
Casal de Mestre Sala e Porta Bandeira – O dom divinal
1º carro – Nasce no morro uma estrela



Recomendação:
Vou recomendar que os enredistas coloquem uma ou mais imagens nos seus enredos para ilustração. Mas recordo que o texto ainda é o principal, ausência ou presença de imagens em nada deve prejudicar a avaliação nos enredos. É apenas uma embalagem, que vende e valoriza as obras. 

domingo, 6 de julho de 2014

Tabela com os enredos do SEXTO CONCURSO



Tabela com os enredos já entregues.
 Organizada por ordem de entrega (a ordem do julgamento é inversa a da entrega + com uma pequena alteração com base na colocação do concurso anterior). 

Para mais detalhes leia aqui sobre a ordem de apresentação dos enredos. 




“Respeite a majestade da minha coroa”




Com 299 pontos, Fabio Granville foi o campeão do Quinto Concurso de Enredos. Reveja o campeão do QUINTO CONCURSO DE ENREDOS!

Quais são os pontos fortes do enredo?

O conjunto do enredo fez a diferença foi o enredo mais “redondo” do concurso, tema, exploração coerente, enredo bem escrito, bem apresentado... O resultado foi o campeonato.
Temática simpática e original falar de um símbolo de uma escola de samba que é a coroa da Imperatriz. E partido dela falou de outras coroas, cativou o enredo com trechos de sambas da escola, utilizados com muito bom gosto em posições estratégicas:

Estão abertas as portas deste reino chamado Sapucaí. Escutem o que o povo diz: “Quem não sabe o que é amar não sabe o que é ser feliz, quem não sabe o que é sambar, não sabe o que é Imperatriz”. O cavaquinho imperial chora de alegria. E o intérprete anuncia. Respeite a majestade da minha coroa. E seja mais um rei nesta folia.


E afinal onde o enredo poderia perder?

A questão cronológica do enredo é um pouco atrapalhada, ali alguns décimos foram perdidos.

Trecho do enredo campeão:


INTRODUÇÃO:
Eis a nossa Imperatriz, rainha de Ramos, que leva esta alcunha graças à sua portentosa coroa bordada e bem trabalhada no centro de seu pavilhão. Nosso símbolo maior então se torna, neste carnaval, a personagem principal do nosso desfile.
Desde os primórdios, há necessidade de o homem criar seus ídolos, manifestando o desejo da perfeição. Elegemos os líderes religiosos, reis, rainhas, imperador, imperatriz, numa batalha de poderes e força. Detém a coroa quem é vencedor, quem é especial. Assim como há os coroados celestes, deuses e anjos abençoando nossa escola, reinando esplendorosa no reino de Momo.
E assim ela vem, a rainha de Ramos, trazendo todas as histórias, as festas, os jogos, os reis abstratos, os reis da natureza, as batalhas, as conquistas, as riquezas, as joias, ou seja, tudo aquilo que esse símbolo maior do poder trás através da história.
Portanto, que chore o cavaquinho imperial, entre na corte do carnaval e respeite a majestade da minha coroa, coroando a história desse símbolo imortal.


"Nas águas do Rio Amazonas."

    O Autor DOUGLAS QUINTO conseguiu o vice-campeonato com 298,1 pontos. Reveja o enredo: Nas águas do Rio Amazonas.  


Quais são os pontos fortes do enredo?

O desenvolvimento do enredo foi muito bem explicado. O enredo tem um conjunto muito bom, correto tecnicamente. Não tem furos, sinopse e desenvolvimento não brigam. Tem divisão de setores, a apresentação é clara.

E afinal porque o enredo não ganhou?

A temática amazonas já foi tratada em uma infinidade de enredos, é uma temática extremamente desgastada. Grande Rio, Beija-flor, Viradouro, Portela, Tradição, Imperatriz e tantas outras escolas já falaram de Manaus, pororoca, pirarucu, fauna e flora amazônicas, borracha e etc... Na opinião da maioria dos jurados, a proposta de falar pelo rio pode parecer original, mas não nos levou para um caminho muito diferente daqueles já traçados tantas vezes.

Concurso de enredos é isso, se quer pegar um tema já tantas vezes falado e se quer ganhar precisa reinventar um tema, ou pelo menos conquistar os jurados a ver novamente Amazônia pela milésima vez.

Veja um trecho do enredo:

Sétimo setor: O RIO que traz progresso
O progresso hoje das grandes metrópoles da Amazônia e muito em conta do Rio amazonas, no auge do ciclo da borracha o rio foi a principal estrada de saída entre Manaus e Belém, hoje uma de suas finalidades e o progresso, que desde sempre o rio amazonas trouxe para a Amazônia, e para o norte do Brasil, às vezes esquecido no meio da tanta mata, aqui tem progresso também.
Ala 35: ciclo da borracha. No ciclo da borracha a região amazônica foi muito beneficiada, foi o tempo em que Belém teve sua maior importância no Brasil e que Manaus fez sua progressão nacional.
Ala 36: Bele époque: paz e amazonas. No tempo da borracha Belém e Manaus foram tão beneficiadas que criaram e cresceram com o crescimento veio à arte, os teatros da paz em Belém e amazonas em Manaus foram advindos dessa época.
Ala 37: abaixo ao desmatamento.  Aqui damos um grito de preservação temos que proteger esse verde essa vida ela e o maior patrimônio que a região norte tem.
Ala 38: pulmão do mundo. Vamos ver que aqui temos o pulmão do mundo se em outros países a grande emissão de gases tóxicos nossa floresta amazônica tem o pode r de salvar o mundo esta ai mais um motivo para proteger e cuidar.
Ala 39: vida amazônica. Pedimos pra não desmatar, agora mostramos o povo, povo que gosta da terra onde vive gosta da de tudo que ha lá de tudo que tem do jeito que tem a contemplação do povo amazônico, do acre, do para, do amazonas, de Roraima, de Rondônia, do Tocantins, do Amapá.
Alegoria 8: o progresso e possível! e real! O mercado do Ver-o-Peso em Belém do alto dos seus mais de 381 anos vem representando o desenvolvimento, vem pois lá o maior mercado a céu aberto da américa tem papel super  importante no abastecimento da grande Belém, sua historia, suas ervas, e sua vida. De Manaus tem sua zona franca construída para o desenvolvimento faz hoje da Amazônia hoje um dos maiores polos industriais do mundo, são muitas fabricas que fabricam e por meio do rio amazonas fazem suas entregas. São as duas capitais mais importantes banhadas pelo amazonas, o desenvolvimento delas e necessário, o crescimento não para mais sua essência e a mesma, Amazônia e aqui, o rio amazonas desagua na felicidade do povo do norte desse país, comtemplamos agora a Amazônia!
* Esta alegoria e acoplada, mas não continua em seu significado, entretanto em sua forma elas se completam, não vemos aqueles fios que costumamos ver em alegorias separando uma parte da outra, a parte da frente e o Ver-o-Peso a de trás e a zona franca de Manaus.
Ala 40: ribeirinhos. COMPOSITORES. Aqui fazemos a devolução do rio aos seus verdadeiros donos os ribeirinhos amazonidas são famílias que vivem na beira do amazonas e seus afluentes lá criam seus filhos e seguem sua vida.

sábado, 5 de julho de 2014

“Os Crimes Momescos – Uma Viagem aos Personagens dos Detetives. Elementar, Meu Caro Folião!”.

Os detetives de Danilo Guerra conseguiram o terceiro lugar do concurso de enredos com 295,6 pontos. Reveja o enredo:  “Os Crimes Momescos –Uma Viagem aos Personagens dos Detetives. Elementar, Meu Caro Folião!”.


Quais são os pontos fortes do enredo?

É um enredo alegre, leve e simpático, lutou décimo a décimo com o enredo anterior praticamente no mesmo “terreiro”.

Mas a diferenças ficam por aí! Crimes momescos tem uma ótima apresentação, tanto que na largou na apuração em segundo lugar. Visualmente possui um texto bem apresentado e bem ilustrado, apesar de um ou outro jurado ter tirado nota por excesso de ilustrações.


E afinal porque o enredo não ganhou?

Muitos personagens e muita descrição de cada um deles, a narração e história se perdeu. Duvido que um jurado tenha lido todos os detetives, chega um momento e a vontade que se tem é pular. Acho que uma sinopse pode até ser extensa, mas ela precisa seduzir.

Acredito que faltou para o enredo uma integração maior dos setores, unindo um pouco tantos e tantos personagens. A descrição de personagem por personagem chegou em um certo ponto que ficou excessivamente didática, fugiu do carnaval. O que faltou em muitos enredos deste concurso, embasamento, informações sobre seus tópicos, talvez nesse enredo tenha sobrado.

O desenvolvimento também foi para o mesmo caminho, muitos jurados criticaram o excesso de personagens sem uma história convincente.


5º Setor: Brasil:
Ala 26 – Delegado Mello Pimenta (do Livro O Xangô de Baker Stret de Jô Soares);
Ala 27 – Mandrake (personagem de Rubem Fonseca);
Ala 28 – Guarda Juju (Personagem de Roberto Marquis);
Ala 29 – Mário Fofóca (Personagem de Luiz Gustavo);
Ala 30 – Novela “A Próxima Vítima” (Fantasia de Horóscopo Chinês);
Ala 31 – Ed Mort (Personagem de Luís Fernando Veríssimo; fantasias de baratas);
Alegoria 5: Brasil (Traz a atriz Giovanna Antonelli, a Delegada Helô, o ator Luiz Gustavo, Mário Fofóca, e o ator Paulo Betti, Ed Mort, como destaques).




EM NOITE DE LUA CHEIA... DEU A LOUCA NAS ASSOMBRAÇÕES...


O quarto lugar do concurso de enredos obteve a pontuação de 295,5 pontos, o autor do enredo é  Christian Fonseca. 


Quais são os pontos fortes do enredo?
É uma grande brincadeira de carnaval, sinopse alegre e bem humorada, brinca o tempo inteiro. Isso conquistou muitos jurados.

Tema enredo interessante e original, um dos melhores do concurso. 

E afinal porque o enredo não ganhou?

O texto se apresenta com um vermelho gritante que é capaz de deixar muitos jurados cegos. A apresentação do desenvolvimento em tabela é boa, mas o esquema não ajuda a avaliação, pois deixa descrição e nome das alas separado, que coloca o julgar em um sobe e desce tremendo. Por tanto é um enredo falho na questão de apresentação do seu texto.

A exploração do tema no geral foi criticanda, muitos jurados queriam um desenvolvimento mais profundo do tema e não simplesmente brincadeiras com personagens. É um enredo na linha “paulobarroseana”.

Trecho do enredo:

Setor 02 – Transformações

Em noite de lua cheia... Eu me transformo em lobisomem. Outras pessoas vão se modificando ao longo da passagem dessa lua. Esse setor vem para incorporar e chamar as entidades para participar do nosso carnaval, fazendo com que os adormecidos revivam e que possam sambar em nossa passarela virtual. O que eu posso dizer é que vamos ter cuca, boitatá, mula-sem-cabeça, curupira, isto é, os amigos invocados do lobisomem estão presentes nesse belo enredo desenvolvido pela nossa Floripa do Samba, inclusive vamos fortificar as lendas brasileiras contadas por esse BRASIL MULTICULTURAL. A lua cheia está incorporada a diversas lendas, inclusive ela tem influência sobre o mar, através dessa informação, o deus Poseidon confirmou presença no desfile para reivindicar esse conceito, pois quando eu entrevistei ele, Poseidon falou que o único que tem o pleno poder sobre os mares é ele, e que vai provar toda essa história de um jeitinho brasileiro, com muito samba no pé.

O País da Corrupção

Reveja o enredo: O País da Corrupção

Tony Mancini obteve o quinto lugar com 293,1 pontos, a proposta do enredo foi tratar de corrupção.



Quais são os pontos fortes do enredo?

É uma temática polêmica, corajosa que muita gente deseja ver na avenida.

Apesar do tema pesado, o desenvolvimento consegue brincar bastante em alguns momentos deixando o tema mais leve.

Que escola de samba teria coragem de nos dias atuais falar de corrupção? Fica a pergunta!

E afinal porque o enredo não ganhou?

É um tema interessante, mas de grande responsabilidade. Para ser critico é preciso ter um bom embasamento teórico, boa pesquisa, senão não convence.

O autor se atrapalhou entre umas afirmações não tão bem comprovadas, no caso de Getulio Vargas, corrupto ou não? A sinopse levantou uma suspeita de maneira insegura, o desenvolvimento chamou de corrupto, pareceu contraditório e/ou de justificativa fraca para muitos jurados.


Pequenos detalhes foram deixando o enredo perder pontos e o resultado é este bom quinto lugar.

Trechos do enredo:
Comissão de frente: “Os larápios” – Grandes “ladrões” da historia, exemplos: Marques de Olinda, Visconde de Mauá, Getúlio Vargas, PC Farias e Roberto Jeferson e alguns.
Alegoria (01) Abre- Alas: (Carro Síntese) “Por água abaixo” – Carro que lembra uma rede de canos e esgotos, coberto de dinheiro e ouro.

Meu cheiro é mágico, do oriente ao ocidente eu conquistei, sou sagrado, sou divinal !

O sexto colocado é de Fábio Cardomingo, com 291, 9 pontos, o autor trouxe os incensos um tema original e leve que conquistou os jurados.



Quais são os pontos fortes do enredo?

Por ironia, os Incensos desfilaram no desfile oficial logo depois de Corrupção, um tema pesado, e esse contraste acredito que favoreceu muito o enredo, que passou leve, bonito e pra cima.

É um tema cativante que traz belezas, cheiros, essências, magia da Índia, Egito, Orixás, fala de fé.

E afinal porque o enredo não ganhou?

O enredo se complica bastante no desenvolvimento que apenas descreve os carros, não apresenta divisão dos setores e aparenta um desleixo com as alas.


A sinopse poderia ter se preocupado em explicar mais o enredo, alguns pontos ficaram perdidos nos versos. A recomendação é o autor usar mais versos ou optar por um texto duplo, apresenta os versos e depois complementa um texto que conte todo o enredo. O erro é comum de se inspirar nas sinopses das escolas publicadas na internet, mas esquecem que os jurados até lêem essas sinopses, mas no AA entregue no dia do desfile tem um texto muito mais explicativo que esse

Trecho do enredo:

Carro Abre Alas: " Egito de mistérios e mágias"
O carro representa o Egito antigo país onde foi criado o insenso através do mago Metraton, o carro terá na parte da frente uma grande escultura de esfinge com os olhos em ledy multicor que irá enfeitiçar a todos com seus olhos misteriosos , nas laterais esculturas de tumbas dos faraós e na parte de traz uma grande piramide giratoria, o carro soltará aroma de eucalipito, já que este aroma é o simbolo do egito, os Egipicios acreditam que esse  aroma  cura todas os males do corpo e da alma.

Nosso Bloco tá na rua- O carnaval de rua do rio, suas canções e seus blocos.

Rodrigo B. botou o seu bloco na rua e conseguiu o sétimo lugar do concurso de enredos com 291,2 pontos.
Reveja o enredo: Nosso bloco tá na rua


Quais são os pontos fortes do enredo?

O enredo é alegre, relembra grandes carnavais, sempre um enredo com essa temática irá sensibilizar muita gente.

O enredo fala de Chiquinha Gonzaga, Dalva  de Oliveira, Emilinha, Bola Preta, Cacique sempre atrairá atenções e simpatia para com ele.

O tema não é dos mais originais, mas possui grande potencial para emocionar.

E afinal porque o enredo não ganhou?

Tecnicamente o enredo não foi bem apresentado. Acredito que sinopse poderia ter aprofundamento mais o tema, ela é bastante curta, tem apenas 4 parágrafos, passa a sensação de quando começa a ficar bom termina. O autor deveria ter explicado um pouco mais o seu enredo, apresentou uma sinopse resumida demais, talvez pensando mais em compositores de samba do que apresentar os seus trunfos. Tanto que quando chegamos no desenvolvimento com Carmem Miranda com alegoria e tudo, voltamos na sinopse e não encontramos ela citada na sinopse de maneira clara. 

O desenvolvimento é bastante frágil sem a divisão dos setores, deixou muitos jurados confusos, afinal onde começa e onde termina os capítulos do enredo?




Trecho de enredo:
Podemos perceber que o carnaval criava o cenário para o surgimento e celebração de muitas histórias de amor. No oba oba da folia Colombina conheceu pierrô, mas logo o trocou por arlequim, o poeta se apaixonou pela dama das camélias e ficou com o coração no ritmo do balancê. E como esquecer as musas que inspiraram os malandros cariocas a se declararem no melhor ritmo carnavalesco. E aqui somos democráticos, tem vez pra aurora, Maria bonita, a chiquita bacana, e claro, a mulata. Mas musas mesmo são as donas das vozes que embalaram-nos na folia, como Dalva  de Oliveira  e Emilinha.

VALESCA REIS SANTOS, DIVA DO BRASIL

O autor Cleiton Almeida falando de Valesca Popozuda obteve a oitava colocação do concurso com 288,1.

Valesca Popozuda abre a noite dos Campeões do
Quinto Concurso Brasileiro de Enredos, reveja o enredo: VALESCA REIS SANTOS, DIVA DOBRASIL.



Quais são os pontos fortes do enredo?

O autor conseguiu apresentar uma boa exploração temática, buscou humanizar a Valesca. Foi  apresentando a Valesca mãe, a batalhadora que veio do morro e conseguiu o sucesso. Trazer alguém que veio de baixo e venceu sempre é bom exemplo e faz este enredo ser interessante.

Outra qualidade do enredo apresentado é a explicação inicial dos setores, o autor deixou bem claro a ideia que cada setor queria mostrar.

Trechos extraídos do enredo:
1º setor – “A estrela do morro”
            Este pequeno setor retrata o nascimento de Valesca, no bairro do Irajá. Teve uma infância simples, sua mãe trabalhava de faxineira. Mas desde sempre já tinha o dom de encantar as pessoas com sua graça.

2º setor – “De frentista à vocalista”
            Neste setor temos a trajetória de Valesca, desde quando teve que parar de estudar e trabalhar num posto, até quando foi descoberta pelo seu empresário Pardal, participou do grupo “Gaiola das Popozudas” e fez turnê pelo mundo.

3º setor – “Conhecida em todo meu Brasil”
            Neste setor temos o que tornou Valesca conhecida no Brasil. Suas polêmicas constantes e suas músicas super comentadas fizeram de Valesca a funkeira mais amada (e odiada) do país.

4º setor – “Simplesmente Valesca”
            Aqui temos a Valesca Reis Santos. Neste setor retratamos como é a Valesca do dia a dia, a Valesca em sua intimidade. Quem ela é por trás da fama. Suas lutas, glórias e desejos.

5º setor – “Diva do Brasil”
            O último setor da escola é o caminho de Valesca desde sua decisão de enfrentar uma carreira solo até a coroação como diva do Brasil. Essa coroação é resultado de uma série de conquistas da cantora.


E os problemas do enredo? Afinal pq não venceu?

O tema Valesca popozuda não foi bem recebido pelos jurados, não podemos que esquecer que uma homenagem para uma artista de carreira recente geralmente não é muito aceito. Existe a defesa por muitas pessoas que um artista é digno de homenagem se tem uma longa carreira.

Valesca é considerada por muitos como ‘não cultura’, talvez até este debate ou defesa introdutória sobre “o que é cultura /o que não é cultura” tivesse um melhor recebimento do tema pelos jurados.

Alguns jurados cobraram do enredo descrição de carros e alas, embora isto não seja obrigatório. Neste caso a penalização não deveria ocorrer.

Algumas alas como Ala 4 – A visita de um “Pardal” e Ala 1 – Os estudos em segundo plano resultaram penalidades para o enredo. O que reforça que é bom ter cuidado no nome das alas.



sexta-feira, 4 de julho de 2014

De 2009-2014 Ramos vira um bairro de altos e baixos

Este enredo tentou mostrar Ramos, como um baixo de altos e baixos, momentos em que o bairro melhora e piora.



A ideia é diferente, infelizmente o enredo careceu de melhor  complementação, por isso, o enredo terminou em décimo quarto lugar com a pontuação de 234,7.

Malandro é Malandro, e Mané é Mané

Malandro é Malandro, e Mané é Mané de Eduardo Pinho foi o 13º colocado do concurso de enredos com 257,4 pontos.

Essa imagem é inédita. É criação do autor do enredo. 

Este é um dos melhores enredos do concurso, mas por não ter apresentado desenvolvimento acabou sofrendo inúmeras penalidades que resultaram nesta colocação. 

Se Malandro é Malandro tivesse vindo com desenvolvimento certamente estaria desfilando no Sábado dos Campeões. O enredo apresentou um bom tema e com boas chances de sucesso se viesse completo. 

Mas não adianta, o concurso exige que para ganhar o autor do enredo mostre pelo menos um esboço de seu projeto para carros e alas. Afinal um lindo texto pode nos enganar. Ali no imaginar de carros e alas que podemos ter uma ideia mais completa de potencial de um enredo. 

Trecho do enredo:

 Na espiritualidade o malandro também é citado, Salve Seu Zé Pilintra, Salve Seu Tiriri, Salve a Malandragem!!!
 “Seu Zé Pilintra é um cabra bom
Seu Zé Pelintra é um cabra bom
Que não me deixa escorregar
Vence demenda, quebra feitiço
Ele é o mestre lá da Encruza”

Eis que surge um Céu, prá lá de animado, divertido. Uma grande favela com antigos malandros, seres celestiais de antigas comunidade, nomes que são sinônimo do bom samba , do bom humor , fazendo dessa favela moradia. Os três últimos malandros da música fazendo shows para São Jorge e sua falange. Moreira da Silva nascido no morro do Salgueiro que fez o velho oeste viver aqui no rio e se seus sonhos de luxo cantados para imaginável “Etelvina”. Bezerra Da Silva fonte de inspiração dos rappers como Marcelo D2, na sua voz falava das comunidades, defendia o povo do morro, usando uma filosofia anti-preconceituosa e seus sucessos de duplo sentido, como “Sou Produto do Morro”,”Arruda de Guiné”e ”O Bom Pastor”. Carlos Roberto de Oliveira, nosso Dicró, Síndico/Muso do Piscinão de Ramos, chega por último, ele que fez muita gente rir com suas sátiras, pobres das sogras!!!

Brasil o país da música

Em 12º lugar encontramos Brasil o país da música, de Leonardo Verçosa.

Esse enredo é de um tema riquíssimo. Era um enredo de grande responsabilidade falar da música brasileira, acredito que o autor esqueceu de ir atrás de um embasamento teórico para dar suporte para a sua criação. Faltou muita gente boa, faltou falar de muita coisa, o enredo de bom tem é a proposta de uma grande f

O Brasil o país da música foi um desfile bonito e animado:


ala 13 - Funk
DANÇArinos de funk virão fazendo os famosos "passinhos" durante o desfile .
ala 14- Sertanejo
Sertanejo musica tipica dos fazendeiros e da região centro oeste , com um chapeu tipico sera representado o estilo musical.
ala 15 - Olodum
Os desfilantes virão segurando tambores simbolizando a grande banda tipicamente brasileira Olodum.
Alegoria 05- É musica brasileira my friend
Esculturas representando musicos com roupas tipicas de ritmos musicais brasileiros em verde e amarelo , pisando na bandeira americana , representando a cultura musical
brasileira "pisando" na americanização da música brasileira.
setor 6 - O samba dominou o mundo

Samba o estilo musical brasileiro mais famoso mundialmente , mostraremos vários paises/Continente do mundo no ritmo do samba.

VEM , PODE ACREDITAR... AQUI NÃO ÉS...

Leonardo Verçosa e Rodrigo Geneves falaram de sonhos e realidades e ficaram com o 11º lugar do concurso com 271,5 pontos.

Reveja o enredo: VEM, PODE ACREDITAR

O enredo apresentou alguns pequenos problemas como ausência de introdução e repetição de alguns significados como sonho de profissões.

O enredo trouxe também desejos de preservação, um mundo sem fome e guerra e relembrou antigos carnavais.

Trecho do enredo:

Morfeu é o Deus grego do sonho, vai nos dar forças para lutar por nossos sonhos , ser guerreiro , como os componentes das escolas , lutam , cantam , sambam , atrás de seu sonho
que é vencer o carnaval com sua escola de coraçao,é isso que devemos fazer atrás de nossos sonhos , lutar , guerriar , jamais desistir de realizar seu sonhos , desde a infância temos
afinal qual menino não sonha em ser um super heroi, poder voar como o superman , poder escalar predios como o homem aranha , ter super velocidade como o the falsh , ser um explorador de terras como o indiona jones?

SAIU


São Lourenço - Vamos falar sobre ele?

Reveja o enredo São Lourenço



Pontuação final: 287,4
Classificação: Nono Lugar
Autor: Wagner Lima

O que foi o enredo?

São Lourenço é um enredo com bons e maus momentos, oscilou durante a sua apresentação. Pegou uma temática complicada, é um enredo Cep de cidades Mineiras. Já tivemos cidades como Araxá e Poços de Caldas, a temática ''águas mineiras'' já foi bem falada. Mangueira já falou da Estrada Real. O próprio estado de Minas Gerais já foi enredo como Portela no carnaval 1999. Infelizmente ''São Lourenço'' não conseguiu fugir dessas comparações, isto acabou prejudicando bastante o enredo em sua classificação. 

Porém, quem ficar prezo nas lembranças de outros carnavais pode deixar de prestigiar as boas coisas que esse enredo trouxe que é a parte dos "Mistérios". O enredo no seu 4º setor nos apresentou:  Ets, lendas como a da gruta do carimbado que contam que ligaria a região com Machu Picchu. 

Trecho selecionado:

Lendas dos arredores dizem que na gruta do carimbado, uma pessoa de até 1m e 70 cm de altura caminha tranqüilamente pelo caminho inicial somente inclinando um pouco o caminho, o que reforça a teoria de a fenda foi feita por civilizações antigas e não seja obra da natureza. Acreditasse que civilizações místicas antigas como a dos Incas, teriam descoberto através de mapeamento astral, a cidade de São Thomé das Letras, vizinha de São Lourenço, e desenvolveram uma passagem subterrânea para lá.
Outros ainda, acreditam que exista uma civilização intra-terrena, pessoas que vivem no centro da terra e estão mais evoluídos intelectualmente. A própria lenda de Chico Taquara traz a tona, a temática dos poderes e mistérios das grutas e das passagens magnéticas, dos portais dimensionais e das inter-relações entre humanos, extra-terrestres e intra-terrestres, dando lições à humanidade.
O aspecto místico e energético que ligam as cidades de Machu Picchu e São Thomé das Letras não é capaz de resumir todas as interações e compilações existentes nestes locais que refletem o mais antigo dos rituais humanos , o culto aos deuses e à natureza. Mas tudo isto é um mistério que certamente,nunca será revelado, cabendo a nós, aceita-lo ou não. Será?




A noite dos que não foram

Hoje é dia de relembrar os 6 enredos que disputaram o concurso e não vão fazer parte do desfile dos campeões.

Afinal o que faltou para esses enredos?

Vamos conversar sobre eles?

O convite está feito!




Reveja os enredos:
21:30 - Sonhos
22:15 - Música
23 hs - Malandro
23: 45 - Ramos 


quinta-feira, 3 de julho de 2014

Regulamento do SEXTO CONCURSO BRASILEIRO DE ENREDOS


Mudanças entre o quinto e sexto concurso:
- Passará a ser exigida como obrigatoriedade a explicação inicial dos setores no desenvolvimento.

- Carnavalização forma um novo quesito com o quesito Conjunto. Que se transforma em Quesito Conjunto e Carnavalização.

- O quesito Desenvolvimento retorna ao seu molde dos primeiros concursos, mas muda de nome, se chamará Quesito Setores, Alegorias e Fantasias.

- O texto do regulamento foi reduzido buscando mais flexibilidade para os jurados.

- Comissão de obrigatoriedades – volta ser resultado do conjunto de todos. Assim jurados e participantes podem fazer denuncias e sugerir penalidades aos enredos que disputam o concurso.

 - Esse regulamento ainda pode sofrer pequenos ajustes, mas a base será esta. Podem fazer os seus enredos tranquilos, que não teremos mudanças substancias, no máximo serão pequenas melhorias para ajustes de avaliação. 


Notas:

Cada jurado analisará 5 quesitos, fornecendo por tanto 5 notas para cada enredo.

As notas são decimais, ou seja, 10, 9,9, 9,8... 9,1...7,7. Sendo a nota máxima é 10 (Dez) e a mínima é 7,0 (Sete).

O sexto quesito é Comissão de Obrigatoriedades, os jurados podem sugerir penalidades, mas isso é facultativo a organização é a responsável pela penalização dos enredos.

Os quesitos:
QUESITO APRESENTAÇÃO: Julga a apresentação visual do texto do enredo (letras, cores, ilustrações), seu título e sua introdução.

QUESITO EXPLICAÇÃO: Este quesito avalia o texto que conta o enredo. Como estamos em um concurso é solicitado que o texto, curto ou não, deixe bem claro os pontos que deseja abordar.

QUESITO SETORES, ALEGORIAS E ALAS: Analisa o desenvolvimento apresentado, a retratação da sinopse na divisão dos setores, carros e alas.

QUESITO TEMA E EXPLORAÇÃO TEMÁTICA: Este quesito analisará o tema enredo e principalmente a sua exploração temática.

QUESITO CARNAVALIZAÇÃO E CONJUNTO: Está em julgamento tudo, se o enredo está pronto para o desfile, fazendo uma analise do conjunto.

QUESITO COMISSÃO DE OBRIGATORIEDADES: É um quesito separado do julgamento. Faz os descontos de pontos pela não apresentação de itens do regulamento. Falta de ala de baianas, tamanho do arquivo do enredo, falta de desenvolvimento, introdução, entre outros pontos. É responsabilidade da organização do concurso e não dos jurados.




Quesito Apresentação (Título, Introdução e Impressão Visual)

O quesito Apresentação é composto por 3 sub-quesitos, estes quesitos analisam a apresentação do enredo, ou seja, “a sua casca”, a Apresentação de um enredo é importante para valorizá-lo, atrair o interesse pela obra. É esperando um bom título, texto bom para leitura, um texto inicial sintetizado que apresente o que vem por aí.
A nota mínima do quesito é 7,0, cada sub-quesito valerá 1,0 ponto somando com a nota 7,0.

Sub-quesito Título (peso 1,0, nota mínima 0, nota máxima 1)
O título é o nome do enredo. Será o primeiro contato que teremos com o enredo, por isso ele é muito importante. O significado do enredo não precisa estar exposto explicitamente no título, o julgador deve se preocupar com o bom gosto e potencial de gerar interesse pela obra. 

Itens importantes para análise do quesito:

- Coerência do título com o enredo proposto

- Criatividade, evitando clichês

- Gerar interesse pelo enredo, atraindo o público para prestar atenção no enredo

- Não tenha erros gritantes de português.

Obs: A ausência de título a nota do enredo deverá ser zero neste sub-quesito.  

Sub-quesito Introdução (peso 1,0, nota mínima 0, máxima 1)
Esse quesito avalia a qualidade do texto de introdução, que é um texto que geralmente vem depois do título e antes da sinopse. Este texto deve cumprir a função de apresentar o enredo nos informando o que vem por aí.

Pontos importantes deste sub-quesito:

- A introdução deve gerar interesse pelo enredo

- A introdução deve fazer uma explicação resumida do que trata o enredo. É com a introdução que esperamos começar a entender o enredo e a proposta de exploração temática nele contida.


Observação importante:

            Obs1: São muitos enredos que se apresentam sobre diversas maneiras. Por isso, a introdução de um enredo pode ser apresentar em diferentes obras com títulos diferentes (introdução, justificativa, histórico ou até, ausência de identificação).
           
            Obs2: Os diversos enredos podem apresentar “fixas técnicas”, entre outras apresentações iniciais, o julgador deve procurar julgar neste sub-quesito o texto que melhor se encaixar como introdução, geralmente é fácil para o julgador identificar este texto, é o texto que fala sobre o enredo.

            Obs3: Na ausência de introdução, a nota do enredo no sub-quesito deve ser Zero. O julgador pode também procurar considerar o primeiro parágrafo da sinopse como sendo introdução, mas fica sob sua análise se deseja considerar como sendo introdução ou não.

            Obs4: Geralmente a introdução é um texto bastante curto, mas conforme a obra pode ser mais longo. Depende muito do tipo de enredo, alguns podem usar a introdução para desfazer eventuais polemicas que envolvem a sua obra ou diferenciar a sua obra de enredos com temática parecida.
                                                 

Sub-quesito Impressão Visual (peso 1,0, nota mínima 0, máxima 1)

Este quesito deve julgar a apresentação do texto do enredo, as fontes, tamanho de letra, cores, parágrafos, ilustrações que poderão ser apresentadas.
O concurso de enredos é a principio todo em texto, preto e branco, sendo facultativa a presença de ilustrações (fotos), letras coloridas, “efeitos especiais”, e estando presentes, devem ser julgadas. 

Com base nisso, a Apresentação Visual julgará conforme o que o autor apresentar:

Em um texto simples o julgador deverá analisar:
- A apresentação e facilidade na leitura

Em um texto Colorido ou ilustrado:
- A apresentação e facilidade na leitura
- A coerência das ilustrações e cores com o enredo


Exemplos de justificativas no quesito apresentação:

Por ser um quesito que contém outros 3 sub-quesitos dentro dele, ele pode gerar algumas dúvidas. É recomendando que o jurado dê as notas de cada sub-quesito separadamente, deixando claro onde o enredo perdeu a nota.

Exemplo 1: Nota geral e citando apenas os sub-quesitos em que o enredo foi penalizado.

índia terra sagrada,terra abençoada!

APRESENTAÇÃO: 9,6. Erro primário.
TITULO: 0,6 Achei grosseiro escrever com letra minúscula o nome de um país. Ainda quando este é o enredo. E não tem justificativa, ainda mais por estar no começo do Título. A índia com letra minúscula para mim é aquela indígena e não o país Índia.

Exemplo 2: (Dando nota e justificando os 3 subquesitos)
DA MAGIA DE CLOW, AO AMOR DE SAKURA, A INCRIVEL HISTÓRIA DAS CARTAS CLOW
 
APRESENTAÇÃO: 9,3 Exagerou.
INTRODUÇÃO: 0,7 Faltou uma melhor explicação do que seriam as tais cartas, se isso era desenho ou cartas de jogo?
Título: correto nota máxima
I Visual: 0,6 Difícil leitura. Parágrafos gigantescos. Esse fundo amarelo com letras em vermelho detonou a visual do enredo.  

 

EXEMPLO 3 (NOTA TOTAL E EXPLICANDO ONDE O ENREDO PERDEU PONTO)

 

PÉTALAS E ESPINHOS

APRESENTAÇÃO: 9,8 (a justificativa do enredo pode ser melhorada, ainda está confusa para apresentar um tema tão bonito)



QUESITO EXPLICAÇAO

Este quesito irá avaliar o texto que conta o enredo, este texto será encontrado depois da introdução e deverá explicar e fazer desenvolvimento teórico do enredo proposto.

Este texto pode se apresentar na forma de argumento, histórico do enredo com justificativa do enredo, também pode apresentar-se sob a forma de sinopse ou um texto mais extenso e detalhado.

A forma do texto é livre, sendo prosa, verso, misturado, o que o autor achar melhor.

Para este quesito o julgador deverá analisar:
- Todo o conteúdo contido nesse texto, o texto deverá ser claro, que conte o enredo de forma criativa, coerente e interessante;
- A forma que o autor contou o enredo, a harmonia, tudo tem que estar de acordo com o tema enredo e bem claro cada elemento presente;
- Informações polêmicas devem ser bem justificadas;
- O texto não pode conter informações erradas sobre o tema proposto e assuntos nele contidos.

O julgador deverá desconsiderar:
- Pequenas falhas de português (ou digitação), salvo aquelas falhas freqüentes e que comprometem o entendimento do enredo.
- Penalizar falhas de Título, Desenvolvimento e Introdução apenas nos quesitos correspondentes e não na quesito Explicação do Enredo.

Observação importante: Alguns podem optar por misturar Sinopse e Desenvolvimento, apresentando em um único texto. Isto é aceito pelo Concurso se este texto cumprir as funções que se espera dele. Sinopse explicar o enredo, Desenvolvimento apresentar a divisão dos setores (capítulos) e nome e significado para as alas.

QUESITO SETORES, ALEGORIAS E ALAS
Este quesito julgará o desenvolvimento apresentado, ou seja, os setores (capítulos que são contados o enredo), as alas e alegorias imaginados (neste caso mais os títulos, seu sentido no enredo).

Ausência de desenvolvimento: a nota é 7,0. 

Por tanto, o julgador deverá analisar:

- A armação e o potencial de leitura do enredo representado em alas e carros baseados no texto anteriormente apresentado, ou seja, a ordem precisa estar coerente com a sinopse e permitir uma representação em alas e carros de trechos da história que está sendo contada;

- Não podem faltar trechos importantes da sinopse, nem aparecer elementos que a sinopse ignora completamente, pois isso é como se quebrasse um carro, uma ala não desfilasse ou um carro de escola errada entrasse na avenida;

- O equilíbrio entre os setores, salvo raras exceções, como o primeiro setor do desfile, o tamanho dos setores não pode ser desproporcional;

- Criatividade no nome das alas e carros, ATENÇÃO: não é obrigatório especificação profunda sobre cores de fantasias, esculturas, presença de elementos plásticos, materiais qualquer tipo. Isto tudo é facultativo, se apresentado é que deve ser avaliado.

- A divisão dos setores e sua explicação são importantes para entendermos a proposta dos capítulos que serão mostrados no enredo. Isto presente no desenvolvimento também nos ajudará a julgar o quesito seguinte, tema e exploração temática.

- Este quesito também julga os elementos especiais, os significados e criatividade no lidar com alas importantes como C de Frente, Baianas, Bateria, Mestre Sala e Porta Bandeira, Velha Guarda;

- Observações:

Explicação inicial dos setores é esperado encontrar em cada setor um resumo sobre o que será tratado o setor, o que ajuda no seu entendimento.

Exemplo de explicação inicial dos setores
4º setor – “Simplesmente Valesca”
            Aqui temos a Valesca Reis Santos. Neste setor retratamos como é a Valesca do dia a dia, a Valesca em sua intimidade. Quem ela é por trás da fama. Suas lutas, glórias e desejos.

Atenção especial com o primeiro e último setor. Eles são especiais tem natureza diferente dos demais. É aceito um primeiro setor só de Comissão de Frente e Abre-Alas, como também um primeiro setor com Comissão de Frente, Abre-Alas, alas e carro 2. Quanto ao último setor, poderemos encontrar umas alas como velha-guarda e ala de compositores depois do último carro. Nos demais setores, geralmente são abertos por alas e fechados por carro.

Recordamos que carro encobre as alas, por isso, não é correto carro abrindo setor. O carro deve ser encarado como uma ‘’cortina”, ele encobre o que vem atrás dele, e assim não interage com as alas que vem depois, ele interage com as alas que vem na frente dele, por isso, ele é bom para fechar o setor e não abrir.

Tripés podem substituir alegorias ou ficar em posição diversa como encaixados em Comissão de Frente, abertura de setor, posição intermediária entre dois carros.  Se substituem um carro é recomendado que não fechem setores muito importantes do enredo, geralmente devem ficar no meio do desfile. 

A posição da bateria e MS e PB pode ser variável, podendo ou não o autor do enredo fazer o aviso de entrada e saída do recuo. Seu significados no enredo também pode estar de acordo com o setor inicial (antes de entrar no recuo) ou propostas genéricas que se encaixam em qualquer setor do desfile.

TEMA E EXPLORAÇÃO TEMÁTICA

Este quesito deve analisar o tema e sua exploração, ou seja, o assunto principal do enredo e todo o conjunto de enfoques dados, a riqueza nas mensagens abordadas, os sub-temas, enfim, tudo que a exploração deste tema poderá revelar.

Este quesito deve ser avaliado com base na proposta realizada pelo autor do enredo. Todo o enredo, explicitamente ou implicitamente, é realizado com base em uma proposta de exploração desse tema. Caberá o julgador analisar se essa proposta de exploração temática foi exitosa ou não. E também com base no que o enredo propõe trazer, analisar se cumpriu o que se esperava.

O tema sob forma de proposta de exploração temática precisa estar presente de alguma maneira em todo o enredo, ou seja, interligado, se relacionando de alguma maneira, seja qual for, com o que será mostrado. 

Este quesito julga introdução, sinopse, desenvolvimento, todo o enredo.

Assim com base no exposto, o julgador deverá:

- analisar a proposta de exploração do tema realizada pelo autor

- observar a criatividade da exploração, a riqueza nas mensagens abordadas, sendo o tema inédito ou não

- analisar o destaque dado a elementos importantes na proposta do enredo (que não podem ser ignorados, nem colocados em segundo plano). O julgador deverá considerar que nem sempre tudo poderá ser retratado, neste caso, o julgador deverá procurar analisar se o que faltou foi representativo ou não.

- Muitas vezes na busca por enriquecer um tema, a exploração recorre a elementos externos e de aparente pouca relação com o tema do enredo proposto. Caberá ao julgador analisar se esses elementos realmente enriqueceram o tema e se a justificativa para a presença deles elementos foi convincente.

Obs:
- Nos manifestando sobre uma questão bastante polêmica: recomendamos que o julgador deva saber reconhecer os méritos de um tema enredo original, mas nem por isso exigir o mesmo ineditismo de todos os demais enredos. Aqueles grandes achados, temas ótimos, devem ser reconhecidos, até mesmo em um enredo que não tenha uma exploração temática a altura do que o tema poderia proporcionar, ele não deve perder tanta nota no comparativo com um enredo de tema ruim e exploração ruim. Em contrapartida, um tema já bastante explorado se apresentar uma exploração temática interessante, pode revelar-se um ótimo enredo e até ser digno da nota 10. Por isso, a palavra final sobre um enredo ser bom ou não geralmente é dada pela exploração temática e não o tema, com base nisso, o julgador deverá tomar cuidado para não ter um pré-conceito sobre o enredo e fazer disto algo determinante na sua avaliação final.


QUESITO CARNAVALIZAÇÃO E CONJUNTO

Este quesito deve analisar os pontos positivos do enredo, se ele está pronto para o desfile, o que de bom ele tem para acrescentar e nos fazer ver esse enredo apresentado em um desfile de carnaval.

O julgador também deverá neste quesito analisar o conjunto do enredo, sendo que este conjunto não deve ser uma média das notas de outros quesitos e sim uma analise dos pontos mais marcantes. Não é momento de tirar nota por errinhos, os outros quesitos já fizeram isso. É momento de se fixar nos detalhes mais importantes de cada obra.

Este enredo está pronto para o desfile? Foi adaptado para o carnaval? Que escola se interessaria por esse enredo (podendo levar em conta diferentes cidades)? São perguntas que o jurado pode se fazer.

Recomendamos que o jurado faça uma avaliação livre, observando os acertos, reconhecendo os méritos e mais do que nunca comparando os enredos. Diferenciando os bons enredos dos grandes enredos que serão os campeões deste concurso, esta nota mais do que em qualquer outro quesito pode ser comparativa.

O julgador deverá considerar:
- Tudo que foi apresentado.

O julgador deverá desconsiderar:
- Pequenas falhas, questões de pouca importância para o conjunto do enredo. Não é momento de fazer uma média das notas, nem ficar repetindo penalidades de outros quesitos.

Obs: O julgador pode dar nota diferente de 10 nos quesitos anteriores e chegar nesse e resolver premiar o enredo com nota 10. Também o contrário pode acontecer dar nota 10 nos quesitos anteriores e agora chegar e dar um 9,9 ou 9,8. Não é um quesito para premiar enredos corretos, este deve ser um quesito para pensar no que os enredos tem de bom!


QUESITO COMISSÃO DE OBRIGATORIEDADES:
O julgador não é responsável por este quesito mas se desejar pode apontar e sugerir penalidades.


COMISSÃO DE OBRIGATORIEDADES

As obrigatoriedades são importantes para exigir dos autores uma melhor apresentação de seu enredo buscando adequar os enredos para uma mais completa avaliação possível. Como estamos em um concurso não poderemos esperar que seja campeão do  concurso simplesmente alguém que copiou e colou um belo texto da internet no Word e chamou ele de enredo. Vamos querer observar em primeiro lugar se este texto sofreu uma adaptação para um o Carnaval. Por isso também é solicitado uma divisão dos setores, dar nome a alas e carros e mostrar criatividade com alas fundamentais das escolas de samba como Bateria e Baianas. Lembrar que o Casal de Mestre Sala e Porta-Bandeira precisa de um significado no enredo.

SÃO ESSAS AS OBRIGATORIEDADES:

Título para o enredo: O enredo precisará ter um nome.
Texto de introdução ou Justificativa: E um pequeno texto de apresentação, uma rápida explicação inicial do que virá por aí é encontrado depois do título.
Sinopse ou Argumento: Texto que contará o enredo. Podendo este ter menos de duas ou até mais de 50 páginas. Pode ser em prosa ou verso, misto, qualquer formato é aceito.
Desenvolvimento: Após a sinopse apresentar uma explicação inicial para os setores separadamente e apresentar nome e número para alas e carros. É facultativo explicar ala a ala, espera-se que a Sinopse e texto inicial dos setores já cumpra essa função. A explicação dos setores deve ser o significado do setor para o enredo, como se fosse um capitulo, o autor deve dizer resumidamente o que será mostrando nesse capítulo.  
Elementos EspeciaisSerá obrigatória a presença no desenvolvimento de Bateria, Casal de MS e PB, Baianas, Velha Guarda e Comissão de Frente.
Carros alegóricos: Imaginar um enredo para ser desenvolvido entre 3 e 8 Alegorias, podendo fazer o uso de tripés (o número de tripés é ilimitado).
Tamanho do arquivo: Não poderá exceder 5 MB.
Assinatura: No mínimo é exigido nome identificação (apelido, nome fictício ou verdadeiro) e e-mail para contato (depois do título ou no final do enredo, esse e-mail pode ser divulgado ou não, o autor deve avisar).

Observação importante: Alguns podem optar por misturar Sinopse e Desenvolvimento, apresentando em um único texto. Isto é aceito pelo Concurso se este texto cumprir as funções que se espera dele. Sinopse explicar o enredo, Desenvolvimento apresentar a divisão dos setores (capítulos) e nome e significado para as alas.


Penalidades:
O não cumprimento das penalidades resultará nos seguintes descontos:

Título para o enredo: -5 pontos
Introdução: -2 pontos
Sinopse ou Argumento: -10 pontos
Desenvolvimento: - 20 pontos
Divisão de Setores no desenvolvimento: -2 pontos
Explicação dos setores no desenvolvimento: -3 pontos (não é descontado se ao menos for feita uma divisão de setores na sinopse que deixe claro os capítulos que serão apresentados).
Divisão de Alas: -3 pontos
Número de alegorias: Cada carro que ultrapassar 8 ou for inferior ao número de 3, será descontado 1 ponto. Mas a penalidade será efetuada apenas em caso de ter sido apresentado o desenvolvimento.

Elementos especiais: Velha Guarda: -0,6 ponto. Bateria, Baianas, Ms e Pb (no mínimo 1 casal) ou Comissão de Frente: -1 ponto cada

Enredo sem Assinatura: -0,1 (deve conter no arquivo de texto de enredo uma assinatura)
Tamanho do arquivo: Deverá conter 5 MB, perderá -0,1 a cada 500 kb ultrapassado.  Assim podemos notar que o concurso ainda tem uma tolerância de 499 kb, penalizando a cada 500 kb ultrapassado.


Marcadores