Atenção carnavalescos e presidentes de escolas de samba!

Atenção carnavalescos e presidentes de escolas de samba!
Gostou de uma ideia, Clique na lâmpada e leia a nossa recomendação!

quinta-feira, 20 de março de 2014

5 dias de projeto

Hoje o renascimento do projeto completa 5 dias. Ainda estamos nos arrumando, o próprio site ainda está um pouco desorganizado.

Leva uns dias para as melhores ideias surgirem. Aceito já todo o tipo de sugestões, pode postar como comentário ou mandar direto para o e-mail: abacateazul@yahoo.com.br



terça-feira, 18 de março de 2014

A segunda parte do regulamento já está quase pronta

O regulamento do Quinto Concurso Brasileiro de Enredos está quase pronto, já colocamos uma explicação detalhada de todos os quesitos no site. Ainda incluiremos guia para os jurados e guia para os participantes. 

O texto do regulamento ainda receberá uma revisão ortográfica e algumas pequenas orientações aos julgadores ainda poderão sofrer algum tipo de alteração (incluindo sugestões que eventualmente forem realizadas por todos os interessados no concurso), mas nada que cause qualquer prejuízo aos que eventualmente já tenham entregue o seu enredo.

Como temos apenas 5 dias de vida do novo projeto, ainda estamos nos organizando, incluindo o Site que ainda estamos analisando a melhor forma de apresentação e organização do conteúdo que estará disponível aqui.

Em breve teremos botões de acesso para facilitar o acesso aos diversos conteúdos que serão disponibilizados. 





QUESITO ENREDO (CONJUNTO)




Este quesito analisará o conjunto, ou seja, tudo que foi apresentado da primeira linha até a última, porém não é uma análise detalhada e sim geral do que foi apresentando.
Recomendamos que o jurado faça uma avaliação livre, observando os acertos, reconhecendo os méritos e mais do que nunca comparando os enredos. Diferenciando os bons enredos dos grandes enredos que serão os campeões deste concurso, esta nota mais do que em qualquer outro quesito pode ser comparativa.

O julgador deverá considerar:
- Tudo que foi apresentado.

O julgador deverá desconsiderar:
- Pequenas falhas, questões de pouca importância para o conjunto do enredo.

Informações adicionais importantes sobre as questões levantadas:

- É momento do jurado eleger um campeão ou na dificuldade de encontrar um único apontar os seus “campeões”. Se utilizar critérios puramente comparativos, procurar apontar o que determinado enredo tem de bom que e outro não tem, nem que seja gosto pessoal, mas precisa procurar justificar isto de alguma maneira.

- Não é momento de olhar o enredo com uma lupa, os outros quesitos já pretenderam fazer isto. 




TEMA E EXPLORAÇÃO TEMÁTICA

              
e exploração temática.



           TEMA E EXPLORAÇÃO TEMÁTICA

Este quesito deve analisar o tema e sua exploração, ou seja, o assunto principal do enredo e todo o conjunto de enfoques dados, a riqueza nas mensagens abordadas, os sub-temas, enfim, tudo que a exploração deste tema poderá revelar.

Este quesito deve ser avaliado com base na proposta realizada pelo autor do enredo. Todo o enredo, explicitamente ou implicitamente, é realizado com base em uma proposta de exploração desse tema. Caberá o julgador analisar se essa proposta de exploração temática foi exitosa ou não. E também com base no que o enredo propõe trazer, analisar se cumpriu o que se esperava.
O tema sob forma de proposta de exploração temática precisa estar presente de alguma maneira em todo o enredo, ou seja, interligado, se relacionando de alguma maneira, seja qual for, com o que será mostrado. 


Assim com base no exposto, o julgador deverá:

- analisar a proposta de exploração do tema realizada pelo autor

- observar a criatividade da exploração, a riqueza nas mensagens abordadas, sendo o tema inédito ou não

- analisar o destaque dado a elementos importantes na proposta do enredo (que não podem ser ignorados, nem colocados em segundo plano)

- analisar a eventual presença de elementos desnecessários no enredo



Informações adicionais:

- Conforme a proposta, um tema pode ser amplo ou limitado. Por exemplo, folclore brasileiro é um tema amplo, enquanto falar sobre folclore brasileiro segundo Câmara Cascudo, já é um tema mais limitado, e o folclore do nordeste segundo Câmara Cascudo é um tema ainda mais limitado que as propostas citadas antes. Por isso, o julgador deverá julgar o tema e sua exploração de acordo com a eventual proposta que fez o autor e sobre dois aspectos: se cumpriu o prometido e se a ideia de retratar isso foi interessante. Muitas vezes um enredo não cumpre o prometido e outras vezes opta por uma proposta totalmente despropositada.

- Com base na eventual ausência de elementos importantes no enredo, o julgador deverá considerar que nem tudo poderá ser retratado, quase sempre alguma coisa poderá ficar faltando, o julgador deverá procurar analisar se o que faltou foi representativo ou não.

- Muitas vezes na busca por enriquecer um tema, a exploração recorre a elementos externos e de aparente pouca relação com o tema do enredo proposto. Caberá ao julgador analisar se esses elementos realmente enriqueceram o tema e se a justificativa para a presença deles elementos foi convincente.

- Nos manifestando sobre uma questão bastante polêmica: recomendamos que o julgador deva saber reconhecer os méritos de um tema enredo original, mas nem por isso exigir o mesmo ineditismo de todos os demais enredos. Aqueles grandes achados, temas ótimos, devem ser reconhecidos, até mesmo em um enredo que não tenha uma exploração temática a altura do que o tema poderia proporcionar, ele não deve perder tanta nota no comparativo com um enredo de tema ruim e exploração ruim. Em contrapartida, um tema já bastante explorado se apresentar uma exploração temática interessante, pode revelar-se um ótimo enredo e até ser digno da nota 10. Por isso, a palavra final sobre um enredo ser bom ou não geralmente é dada pela exploração temática e não o tema, com base nisso, o julgador deverá tomar cuidado para não ter um pré-conceito sobre o enredo e fazer disto algo determinante na sua avaliação final.


QUESITO DESENVOLVIMENTO E CARNAVALIZAÇÃO:


O quesito Desenvolvimento e Carnavalização julgará o desenvolvimento apresentado, os setores (capítulos que são contados o enredo), as alas e carros imaginados (neste caso mais os títulos, seu sentido no enredo, um projeto inicial que o autor apresente capaz de retratar o seu enredo).

Por tanto, o julgador deverá analisar:

- O encadeamento das ideias contidas no enredo (um enredo possui determinados capítulos, tópicos que abordará e contará a história). É solicitado para uma maior clareza que o autor do enredo tenha apresento uma explicação inicial dos setores;

- A armação e o potencial de leitura do enredo representado em alas e carros baseados no texto apresentado, ou seja, a ordem precisa estar coerente com a sinopse e permitir uma representação em alas e carros de trechos da história que está sendo contada;

- O equilíbrio entre os setores, salvo raras exceções, como o primeiro setor do desfile, o tamanho dos setores não pode ser desproporcional, principalmente a distância entre um carro e outro deve ser mais ou menos semelhante;

- Os elementos especiais, os significados e criatividade no lidar com alas importantes como C de Frente, Baianas, Bateria, Mestre Sala e Porta Bandeira, Velha Guarda;

- A carnavalização, analisar se o enredo é adequado para um desfile de escola de samba.


Informações adicionais importantes sobre as questões levantadas:
- O objetivo desse quesito é testar o enredo. Não adianta alguém pegar um lindo texto, maravilhoso, copiado de um site de internet e colar no Word e achar que é um enredo. A nossa proposta não é ser um concurso de redação ou de “ideias soltas de enredo”. Por isso, querendo fugir dessa armadilha, queremos enxergar um pouco mais, não significa que o desenvolvimento cobrado, se um dia retratado em um desfile, será exatamente assim. Mas queremos enxergar nesse desenvolvimento de desfile, um projeto potencial de carnaval. Afinal, esse enredo vai dar samba ou não?

- É a hora que o texto se transforma em puro carnaval e a criatividade se faz mais do que nunca presente.

- Estaremos vendo quase que um desfile virtual na nossa cabeça, devemos analisar se o enredo está sendo contado com esse projeto de desenvolvimento, imaginar a leitura das alas e carros. As alas e carros não podem estar fora de ordem, na sinopse diz que 1940 era a era do Rádio, em 1950 chegou a televisão. Aí chega no desenvolvimento e coloca: Ala 15: Televisão, Ala 16: Rádio. Isso não pode! A não ser que isso esteja bem explicado e justificado no texto do enredo.

- O julgador deverá penalizar a ausência de elementos importantes retratados na Sinopse. Se determinado setor retrata em alas, por exemplo, as cores da bandeira nacional (azul, verde, amarelo e branco) e chega no desenvolvimento e coloca: Ala 20 – Azul, Ala 21 – Verde, ala 22 – Branco. Notarmos que a ala do amarelo não veio e nem se quer está presente no carro (que poderia salvar essa eventual falha). Está mais que caracterizado um problema de leitura do enredo.

- A presença de elementos contraditórios. Olhando para o exemplo anterior das cores da Bandeira nacional não é aceitável aparecer do nada uma ala representando a cor vermelha. Recomenda-se que o jurado observe que qualquer coisa aparentemente alienígena deva estar bem explicada no texto do enredo (ou no desenvolvimento) para não ter penalidade nem no quesito texto e nem no desenvolvimento (embora recomendamos que jurado evite penalizar um enredo dupla pela mesma coisa).

- Observando o projeto do desenvolvimento é inevitável olharmos o equilíbrio do número de alas dos setores, por exemplo, se um setor tem 3 alas e o setor seguinte tem 12 alas (pode dar impressão que um carro quebrou) e com capítulos curtos e outros extensos demais isto tenderá a resultar em problemas de leitura.  

- O primeiro setor do desfile é um setor especial, muitas vezes pode ser composto apenas pela Comissão de Frente e Abre Alas, alguns enredos unem no primeiro setor carro Abre Alas e segundo carro. Isso é aceito.  O último setor também é especial, poderá fechar com carro ou depois dele ainda termos uma ala de velha guarda, ala de compositores, amigos do “fulano” de tal. Por isso, o julgador deve ter uma tolerância com esses setores especiais.

- A bateria e Mestre Sala e Porta Bandeira podem ser “flutuantes”, então o julgador não deve analisar com tanto rigor o seu posicionamento no desfile. Mas deve observar se ela está encaixada no enredo.

- A comissão de frente e Abre Alas nem sempre representam o começo do enredo, às vezes podem ser síntese do enredo, apresentarem a ideia geral do enredo.

- É recomendado que um setor tenha seu início com ala e termine com carro (salvo o primeiro e último que são especiais). O carro encobre as alas, então é melhor deixar as alas do setor correspondente na frente do carro. É muito comum carnavalescos inexperientes, preocupados com o tamanho dos setores, começar a representar o setores abrindo sempre com alegoria, como na sequência:
Setor 1: Comissão de Frente, Abre Alas, 5 alas
Setor 2: Segundo carro, 5 alas
Setor 3: Terceiro carro, 5 alas.
Pois veja bem... Se eu tenho em um enredo, por exemplo, o setor do Egito, depois o setor da China e em seguida o setor da Índia. Observe que se eu começo sempre com carro, o carro do Egito que começou o setor ficou sozinho, ele encobriu tudo que vem depois dele, as alas do Egito que virão após ficarão interagindo com o carro da China! E as alas da China acabarão ficando interagindo com o carro da Índia! E assim sucessivamente... Resultando em uma leitura prejudicada.

Já o contrário, se eu começo o setor com ala, eu tenho as alas do Egito com o carro do Egito que vai fechar o setor e “colocar a cortina”, as alas do setor da China estarão com o carro da China. Carros e alas irão interagir, se completar nas suas mensagens,  a leitura do enredo será muito mais eficiente dessa forma. Por isso o indicado é:
Setor 1: Comissão de Frente, Abre alas
Setor 2: Alas, Carro 2
Setor 3: Alas, carro 3

Ou (não gosto, mas sei quem faz, dá para aceitar):
Setor 1: Comissão de Frente, Abre Alas, 5 alas, carro 2
Setor 2: alas, carro 3

Ou ainda:
Setor 1: Comissão de Frente, ala, Carro Abre Alas, umas alas (as vezes como o carro é duplo, as alas de trás do carro ficam interagindo com o carro de trás da acoplagem)
Setor 2: Alas, Carro 2
Setor 3: Alas, Carro 3

- “Carro é ponto final, tripé é reticências”, uma vez vi Milton Cunha dizer isso e achei perfeito para exemplificar o que eu quero dizer. Ilustra o caso anterior e também chama a atenção para o tripé, que é um carro menor, é recomendado para ligar um pedaço de um setor com outro, também em alguns casos como é menor pode abrir um setor, também pode utilizado para substituir um carro (em caso de número de alegorias mais limitado ou questões de orçamento), mas deve ser utilizado para fechar um setor intermediário do desfile, mas nunca um tripé deve servir para fechar um enredo, até uma virada importante no enredo deve ser evitada. Recordo que é plenamente aceitável desfile terminar com Velha Guarda ou Ala de compositores, bateria saindo do recuo, mas tratando-se de alegoria é melhor um carro ser o último do que um tripé.

- O descrição de materiais utilizados, cores de fantasias e carros é facultativa, se apresentadas o julgador terá que analisar a coerência dessa descrição com o enredo. 


segunda-feira, 17 de março de 2014

Contagem de enredos

Os antigos visitantes e participantes dos concursos anteriores devem lembrar da contagem de enredos que era feita no antigo site do concurso.

Resolvi resgatar isso, assim na medida que novos enredos forem entregues veremos a contagem mudar no site. Deverá começar a mudar depois de Abril, já que a maioria está neste momento fazendo o seu enredo.

Em título de curiosidade:
O primeiro concurso teve 19 enredos
O segundo concurso teve 38 enredos
O terceiro concurso teve 21 enredos
O quarto concurso teve 24 enredos
Totalizando: 102 enredos participantes

Atualizando: Quinto Concurso teve 14 enredos
Sexto Concurso teve 21 enredos
Sétimo Concurso (em andamento) tem até aqui 10 enredos

Os 4 concursos foram realizados no período de um ano, o primeiro foi no começo de 2003 e o quarto no começo de 2004. Depois o projeto parou e agora retornamos.

O tempo é outro, não sei dizer o que o 5º poderá ter de enredos. Estou esperando 10 enredos para ter um concurso bom. 20 enredos já irei considerar como um sucesso é o número ideal.
Pois no segundo concurso que teve quase 40 enredos quase "matei" alguns jurados. Imagine julgar 38 "desfiles", o comparativo é bem complicado. A apuração chegou a ser divida em blocos, durou cerca de 5 horas.
Logicamente, se tivermos muitos enredos, nos próximos concursos iremos reduzir um pouco o prazo de inscrição e realizar concursos com mais frequência para termos um número sempre de cerca de 15-25 enredos para julgar.


Modelo de enredo II

Mais uma vez destacamos que não está o conteúdo do enredo em análise (a qualidade das explicações, se o enredo é bom, se está bem explicado ou não). E sim estamos tentando mostrar é um modelo de “forma” para quem deseja fazer o seu enredo ter uma inspiração como ponto de partida. Tente fazer até melhor! Este modelo apresentado foi feito copiando alguns pedaços do Abre Alas da Imperatriz 2014, a escola no Abre Alas não fez a explicação inicial de setores, mais achei em um site. No Abre Alas a Imperatriz só deu título para os setores e explicou Ala a Ala. 

Recordo o que precisa ter no concurso:
1 Um título
2 Fazer uma Introdução (um texto para apresentar o enredo, aqui deixei sobre outro título: Justificativa do Enredo)
3 Texto que conta o enredo (Sinopse, texto resumido, ou um texto mais detalhado, o número de páginas não está em julgamento), pode ser duas, dez, vinte, cinquenta páginas... Procure apresentar um texto bom, de qualidade que explica bem o enredo.
4 Desenvolvimento (Resumo dos setores, nome (significado) para carros e alas, a explicação ala a ala é facultativa, espera-se que a Sinopse cumpra essa função).


“Arthur X – O Reino do Galinho de Ouro na Corte da Imperatriz”
Carnavalesco CAHÊ RODRIGUES

JUSTIFICATIVA DO ENREDO

Ao tratar um astro do futebol como tema de seu carnaval, a Imperatriz Leopoldinense transforma a vida do homem que escolhe como enredo em um teatro que envolve sua paixão: O gosto por carnavalizar e a aptidão em tornar temas densos, em alegres passagens carnavalescas traduzidas em samba e plasticidade.

No enredo que apresentamos, a Imperatriz usa o futebol como pretexto para mergulhar em suas obsessões carnavalescas. Ela mais uma vez quer subverter a ordem historiográfica para criar um ponto de vista particular, a seu modo e maneira. Debruçada em expressões populares – como a que diz que aqui é “o país do futebol” – ela cria “mundos” próprios, onde o que ela fantasia, é fundamentado sobre uma ideia coletiva existente no senso comum, mas que não tem a condição de assumir a realidade, senão pelas “mãos” permissivas dos dias de folia.

Certa vez, com a sabedoria costumeira, o escritor e jornalista Nelson Rodrigues definiu o Brasil como “a pátria de chuteiras.” A intenção da expressão cunhada pelo cronista era definir a paixão coletiva do povo brasileiro por um esporte que nasceu inglês, mas foi naturalizado verde e amarelo, não apenas em função da categoria de nossos profissionais, mas, sobretudo, pela prática diária e coletiva de um esporte tão enraizado, ao ponto de alguns estudiosos o considerarem uma legítima manifestação cultural, que configura o principal fenômeno da psicologia coletiva do país, contribuindo para a formação da autoimagem nacional.

Assim, fundamentada em questões culturais aplicadas ao futebol e aos mitos que ele construiu, o G.R.E.S. Imperatriz Leopoldinense cria a ilusão carnavalesca que dá contorno estético e torna possível a materialização dos tais reis do futebol, do tal País do Futebol, da tal Pátria de Chuteiras expressa por Nelson Rodrigues.

Dessa maneira, ela apresenta e cria personagens. Trata a paixão nacional como teatro. Menciona times de futebol como quem menciona “dinastias” que arrastam multidões.
Transforma o jogador em “Rei.” Faz desse “Rei” o “herói.” Faz da vida pessoal e profissional de Arthur Antunes Coimbra, o Zico - eterno camisa 10 rubro-negro - o “Arthur X” que apresenta como enredo.

Assim, a Imperatriz Leopoldinense que desenvolve uma temática futebolística, tendo o astro rubro-negro como personagem central de seu enredo, é a Imperatriz Leopoldinense de sempre: A Escola que gosta e aposta no carnaval que é cultura popular. A Agremiação que não dissolve – seja qual for o enredo – a tríade de sucesso que une a história oficial, o gosto pela pesquisa e seu direito de carnavalizar a realidade. Ou seja, as bases fundamentais que consolidaram seu prestígio ao longo das mais de cinco décadas de existência.

HISTÓRICO DO ENREDO

Ao longo de sua história, o perfil cultural e artístico do G.R.E.S Imperatriz
Leopoldinense está configurado sobre uma identidade que lhe associa ao universo particular de imperadores, reis e rainhas. O dourado que está em seu pavilhão, a coroa que guarda como símbolo, os enredos históricos, e o próprio nome – homenagem a Imperatriz Leopoldina, a soberana brasileira de origem austríaca que foi esposa de D. Pedro I – reforçam sua vocação estilística - e seu gosto pessoal - para tratar de forma singular, temas que abordam questões relativas ao universo monárquico.


Ao tratar o esportista Zico - “rei” de uma nação de torcedores, famoso “camisa dez” rubro-negro - como o Arthur X; o personagem central de uma narrativa carnavalesca que transforma dados da vida pessoal e profissional de um dos maiores ídolos do futebol nacional em uma epopeia futebolística; a Imperatriz aposta em uma de suas mais consagradas vocações: carnavalizar o que é popular à luz de um prisma majestoso.

Abaixo, a sinopse que ilustra de forma poética o que propomos para esse carnaval.

“A única forma de chegar ao impossível é acreditando que é possível”
De Lewis Carroll em “Alice no País das Maravilhas”.

Autoriza o árbitro! Rola a bola na Avenida. Começa a decisão do carnaval carioca. Doze Escolas estão na briga! Vila quer buscar o feito do último campeonato. Império da Tijuca está na primeira divisão. Mocidade e São Clemente jogam na retranca. Ilha cadencia o jogo! Mangueira e Portela tentam a posse de bola pela intermediária. A sobra é da Grande Rio que chuta pro gol mas bate na zaga do Salgueiro. A torcida grita! Tijuca dispara pela ponta esquerda mas é desarmada pela Beija-Flor. Que jogada! Imperatriz domina com categoria, faz a finta e levanta a torcida. Quanta habilidade! Imperatriz cruza o meio de campo, deixa a marcação pra trás e parte em arrancada na direção do gol. O gol é o seu portal! Ela cruza o gol, abre os portões da poesia e mergulha, de braços abertos, na ilusão de um carnaval.

Diante da imaginação permissiva ela não se assusta. Sente-se confortável com o mundo novo que se descortina diante de seus olhos. O País do futebol, que até então muitos falavam, de fato existia e ela estava lá.

Nessa pátria de chuteiras, a nobre representante do carnaval toma conhecimento de histórias populares. Curiosidades em torno da existência de um rei de pernas tortas, fatos sobre a coroação de um rei negro. Porém, dentre as muitas histórias, uma lhe desperta interesse: Arthur X havia nascido plebeu em um subúrbio do país do futebol. A família Antunes Coimbra estava feliz e não conteve a ânsia de espalhar a notícia. Em tempo, damas, bufões, soldados e plebeus espalhavam o ocorrido pelas casas simples da Rua
Lucinda Barbosa.

O passar dos anos encarregou-se de transformar o plebeu em rei. Suas conquistas e lutas pessoais lhe conduzem ao trono. Travou e venceu batalhas. Foi condecorado com a farda verde e amarela – a mais alta patente dada a um combatente do país do futebol. Sagrou-se campeão trajando vermelho e negro nas disputas mundiais do octogésimo primeiro ano do século em que vivia. Foi coroado! Rei coroado no templo do futebol. E por ser soberano de uma nação popular, espalha-se a fama e a grandeza de suas glórias.
Diante da história que corre na boca de nobres e plebeus, aumenta o interesse da Imperatriz sobre o rei. No afã de encontrá-lo toma conhecimento da realização de competições que animavam as massas, tendo tal evento o título de “disputas dominicais.” Realizadas em um lugar, que ficou popular como “Templo do futebol” – espécie de arena erguida em torno de um vasto campo verde – onde o povo se encontrava e se dividia em torcidas.
Junto à multidão que se espremia pode observar a chegada de combatentes de bandeiras e cores distintas. Gente que vinha desafiar os cavaleiros do Rei. Avistou ao longe um brasão que como símbolo ostentava uma “estrela solitária”. Ouviu os gritos de euforia que precederam a passagem de uma nobreza fidalga vestida em verde, encarnado e branco. Pôde ouvir o toque que anunciava o atracar de uma caravela portuguesa junto ao porto e o delírio dos que aguardavam sua chegada.
Em meio ao povo que vibrava, não obteve sucesso na tentativa de aproximar-se do soberano. Porém pôde ouvir o anúncio de que o reinado de Arthur X entraria em festa: O aniversário do Rei seria comemorado no auge dos festejos de Momo que estavam por vir. Nobres de nações estrangeiras por onde seus feitos haviam ganhado fama já confirmavam presença e enviavam presentes. Do outro lado do mundo, onde se fazia noite quando aqui era dia e dia quando aqui era noite, a imagem do rei era esculpida em ouro.
No dia em que completava anos, os clarins faziam ecoar uma melodia ritmada que aludia a “vencer, vencer, vencer!” Seus súditos em festa vestiam o vermelho e o preto – as cores do manto sagrado que o Rei tinha predileção. Ela, a Imperatriz, ordenou que sua corte vestisse sua melhor roupa feita em verde, branco e ouro – talvez Arlindo, talvez Rosa – e viesse em cortejo, tecer honras ao monarca. Fez soar a bateria. Chocalhos, tamborins, surdos e cuícas embalaram o momento sublime. Ao Rei, como presente, a Imperatriz ofereceu-lhe valiosa joia: sua coroa, feita em ouro e pedras verdes. Diante do feito, o povo de Ramos saúda o rei. Ele, dispensando o tratamento destinado aos soberanos, sorri, quebra o protocolo, e responde:
- Sem formalidades! É carnaval. Podem me chamar de Zico!
Carnavalesco: Cahê Rodrigues
Texto: Leandro Vieira

DESENVOLVIMENTO:
Observação do Concurso: Observem que neste modelo, incluí a explicação ala a ala, isto é facultativo. Eu coloquei umas ilustrações, isto também é facultativo. 


PRIMEIRO SETOR – BEM-VINDOS AO PAÍS DO FUTEBOL
Às vésperas da Copa do Mundo, o Brasil, o maior vencedor de competições internacionais, se transforma no Reino da Bola.
Comissão de Frente - O IMPOSSÍVEL NÃO EXISTE
A comissão irá mostrar a formação do herói menino, seu treino cotidiano que mais parece brincadeira de criança em um campinho de uma cidade qualquer acompanhado de outros meninos (ele mesmo). Ali, dono de sua vida e de sua busca, ele pode ser o que quiser.
Está comissão irá falar da capacidade humana de desejar e conseguir.
Irá falar de fé e da tenacidade dos campeões.
Irá mostrar as brincadeiras que forjam um homem.
Irá, sobretudo, dizer que O IMPOSSÍVEL NÃO EXISTE.
1º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira - A IMPERATRIZ E O REI
O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira apresenta o encontro entre um “Rei” de inspiração futebolística e uma “Imperatriz” de inspiração carnavalesca. O Rei em questão é aquele que apresentamos como enredo: Arthur Antunes Coimbra, ou, como é popularmente conhecido, Zico. Já a Imperatriz, é a personificação da Imperatriz Leopoldinense – a nobre figura monárquica que representa a instituição carnavalesca que desfila.
Ele veste o dourado característico dos soberanos. Sobre a cabeça repousa uma coroa que como adorno revela o objeto que lhe rendeu a fama: a bola de futebol. Ela veste o verde, o branco e ouro. As cores que marcam seu reinado no carnaval carioca. Sobre a cabeça e adornando a saia coberta de plumas, a coroa monárquica que guarda como símbolo.
Na evolução, ele a corteja como quem agradece a homenagem que a escola lhe presta. Ela gira e faz desfraldar aquilo que guarda de mais valioso: o pavilhão. Juntos, em harmonia, promovem o encontro festivo de dois reinos populares que são paixão nacional: Ele traz o futebol. Ela, o carnaval.
Elemento Alegórico - BEM-VINDOS AO PAÍS DO FUTEBOL
A Imperatriz convida os espectadores de seu desfile a atravessarem os portões do País do Futebol. Ao transpô-los, ela revela seus delírios carnavalescos: A materialização estética de uma Monarquia de inspiração futebolística, cenário para a apresentação de seu carnaval.
Ala 01 – Ala Show A GUARDA REAL DE BOTÃO
A primeira ala do desfile da agremiação abre caminho para o descortinar de um mundo fantasioso onde o “país do futebol” se revela através de visões poéticas que se utilizam da liberdade artística para a construção de uma visão surrealista. A ala em questão apresenta os guardiões desse “país” e revela que os motivos futebolísticos dão o contorno mais permanente da estética de nosso carnaval como um todo. Em conjunto, o figurino apresenta uma “guarda” formada por homens que ostentam um escudo – na realidade, peças atribuídas ao futebol de botão – que faz menção aos mais variados “times” do futebol brasileiro. Em um contexto mais amplo, inauguram a permissividade característica do carnaval e convidam o espectador a traspor-se para a realidade ilusória que a Imperatriz Leopoldinense propõe como viés para a idealização conceitual e estética de seu enredo.
Alegoria 01 – Abre-Alas - O REINO DA BOLA
O Abre-Alas apresenta a materialização do “Pais do Futebol” e dá contorno artístico ao “Reino da Bola.” É uma visão lúdica traduzida em formas e cores que busca instaurar o perfil ilusório do carnaval Leopoldinense.
No primeiro módulo, o “jardim” do” Reino da Bola” apresenta-se como um campo de totó contornado por um conjunto escultórico construído a partir do movimento dos corpos dos jogadores de futebol. No segundo módulo, as cores verde e amarela revelam que esse tal “País” traduzido em inspiração futebolística trata-se do Brasil. Bolas, chuteiras e personagens associados à modalidade esportiva compõem a cenografia geral da Alegoria que abre caminho para a apresentação da Escola de Ramos.

SEGUNDO SETOR – O REINO FUTEBOLÍSTICO E O SONHO DO MENINO
Nos devaneios de um garoto nascido no subúrbio, o desejo de ser um ídolo dos estádios. Fantasia e realidade se misturam.
Ala 02 – Força Verde BUFÕES FUTEBOLÍSTICOS
Dando continuidade à construção estética de uma realidade permissiva, a fantasia revela a figura de um bufão construído a partir de uma visão esportiva. Ao uso da peruca e ao tradicional figurino do personagem que dá nome a ala, soma-se a bola como elemento artístico, a estampa de inspiração futebolística e o uso de chuteiras, a fim de construir a elaboração de um personagem criado para habitar o mundo ilusório que a Agremiação se põe a apresentar.
Ala 03 – JARDINEIROS DO GRAMADO REAL
Continuando a construção conceitual e artística do carnaval que apresentamos, os “Jardineiros do gramado real” acrescentam ao conjunto estético do setor que revela o País do Futebol, o personagem da ala que desfila. Como o figurino sugere, um grupo de jardineiros “verdes” como um campo de futebol, que faz uso de materiais que cenograficamente sugerem a formação de um gramado, e carregam como adereço de mão a estilização de um regador.
Ala 04 – BOLA (PAIXÃO NACIONAL)
Fazendo uso do bom humor, o figurino da ala revela a estilização de uma bola de futebol. O grupo humano que desfila dá vida ao objeto que representa, apresentando-o como mais um personagem – essencial – do universo futebolístico criado.
Ala 05 – A CAVALARIA DO PAÍS DO FUTEBOL
A ala apresenta-se como uma cavalaria lúdica. O tom fantasioso e a inspiração futebolística ditam a construção do figurino apresentado. A presença de uma bandeira nas cores azul, verde e amarela, torna evidente que o tal “País do futebol” que apresentamos é o Brasil.
Ala 06 – Baianas RAINHA DE BOLAS
A tradicional ala das baianas do G.R.E.S. Imperatriz Leopoldinense apresenta-se incorporada ao visual futebolístico que direciona a estética de nosso carnaval.
Sem perder as características essenciais do figurino tradicional das baianas das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, apresentam elementos visuais que aproximam sua imagem a figura de uma nobre dama construída a partir de componentes plásticos que fazem menção ao universo do futebol. Sobre a saia tradicional, os “gomos” característicos das bolas de futebol compõem a beleza plástica do figurino.
Alegoria 02 SONHO DE MENINO
A segunda alegoria apresenta o universo infanto-juvenil do menino Arthur Antunes Coimbra, o mítico personagem do “Pais do futebol” que apresentamos como enredo. Nascido no subúrbio carioca – no bairro de Quintino – o imaginário pessoal do “menino” foi povoado por elementos futebolísticos que marcaram os primeiros passos de sua carreira. A cenografia que compõe a alegoria sugere um universo juvenil construído com referências esportivas e afetivas do astro esportivo que na infância ganhou o apelido de “galinho”. Iniciou a carreira ao lado dos irmãos no Clube Juventude de Quintino, e tinha paixão pelo vermelho e branco do América Futebol Clube.

TERCEIRO SETOR – NOS PÉS O PODER: A TRAJETÓRIA DE UM REI
A carreira vitoriosa do craque começa cedo, ainda nas divisões de base. Veste a camisa canarinho e é amado pelo povo.
Ala 07 – Caprichosos UM PREDESTINADO DO JUVENTUDE
Encerrada a sucessão de alas que introduzem a interpretação artística do país do futebol, seguimos com o mesmo viés permissivo para apresentar a trajetória de sucesso profissional do astro esportivo que escolhemos como enredo. Fazendo uso das cores oficiais – o vermelho o branco e o amarelo – e da estilização da bandeira do clube Juventude de Quintino, o figurino da ala apresentada faz menção às cores e aos emblemas da primeira “camisa” que o futebolista defendeu, a fim de abordar dados iniciais da carreira do homenageado.
Ala 08 – CONDECORADO CANÁRIO REAL
No “país do futebol” a convocação para ingressar na Seleção Brasileira é a mais esperada honraria que um esportista futebolístico pode vislumbrar. A ala que aborda as diversas participações do homenageado na Seleção Brasileira - nas Copas da Argentina (1978) Espanha (1982) e México (1986) - trata a questão da escalação com o título fictício de “Condecorado Canário Real.” Dessa maneira, o figurino apresentado faz uso das cores e dos emblemas do uniforme da seleção “canarinho” para traduzir esteticamente essa página da carreira pessoal do ídolo esportivo.
Ala 09 – A GLÓRIA DE 81
Por ter sido notabilizado como o carismático líder da vitoriosa trajetória do Flamengo nas décadas de 1970 e 1980, o figurino da ala apresenta o homenageado como um soberano trajado nas cores do reinado rubro-negro.
A fim de abordar o período áureo em que o homem tema de nosso enredo atuou no Flamengo, tendo como ápice a conquista do Mundial de 81, a fantasia apresenta como adorno sobre a cabeça a reprodução artística de um urubu – símbolo popularmente associado ao Flamengo – e junto à mão, como adereço, a reprodução da taça que o esportista conquistou na referida disputa Mundial.
Ala 10 – O REI DO TEMPLO SAGRADO
O figurino da ala faz uso de elementos estéticos que sugerem realeza para abordar um importante marco na carreira do futebolista Zico. Consagrado no gramado mais popular e respeitado do país, maior artilheiro da história do estádio do Maracanã - com 333 gols em 435 partidas – o figurino da ala apresenta o homenageado como o “Rei do Templo Sagrado.”
Ala 11 – O GALINHO DE OURO
Carinhosamente chamado de “Galinho de Quintino,” o astro esportivo que homenageamos, por tudo que foi abordado ao longo do setor que revela sua trajetória profissional, faz com que sua carreira mereça destaque em meio ao universo futebolístico brasileiro. Suas conquistas pessoais consolidam o mito e a Imperatriz Leopoldinense ao fantasiar sua história e traduzi-la em carnaval, passa a chamar o “Galinho de Quintino” com o nobre título de “Galinho de Ouro.” Assim, de maneira carnavalizada, seu reino passa a ser conhecido como o “Reino do Galinho de Ouro” tal qual é mencionado no título que batiza o enredo. O figurino da Ala que trata essa questão apresenta a figura de um nobre adornado em amarelo, laranja e ouro. Sobre a cabeça e junto ao escudo que carrega como adereço de mão, a figura de um “galo dourado.”
Alegoria 03 TESOUROS DO REI
A terceira alegoria apresenta as conquistas profissionais do ídolo futebolístico apresentado como “rei” através de uma cenografia que revela um tesouro acumulado. Esse tesouro - medalhas, taças e troféus confeccionados em ouro - reproduz os mais significativos troféus conquistados pelo esportista ao longo de uma carreira vitoriosa seja por sua atuação na seleção brasileira, no flamengo, ou nos campos internacionais. Ao centro, uma grande taça traz o time rubro-negro que se notabilizou pela conquista do mundial de interclubes de 1981 tendo Zico como líder.

QUARTO SETOR – DUELOS NO TEMPLO DO FUTEBOL
Ídolo maior da maior torcida do mundo, construiu suas glórias no Maracanã, o templo sagrado.
Ala 12 – A NOBREZA DA ESTRELA SOLITÁRIA
Boa parte do prestígio alcançado pelo jogador tema de nosso enredo se dá em função de sua atuação no cenário esportivo carioca. Para recriarmos o panorama de rivalidade e efervescência esportiva no qual o nome do homenageado está inserido, o quarto setor apresenta um conjunto de figurinos que faz menção aos times rivais e a personagens esportivos que atuam durante as disputas futebolísticas. Sendo assim, a primeira ala do setor faz menção ao Botafogo, clube carioca que como símbolo apresenta a estrela solitária, e como cor oficial, o preto e o branco, tal qual é evidenciado pela fantasia da ala “A Nobreza da Estrela Solitária.”
Ala 13 – FIDALGUIA TRICOLOR
Um dos principais rivais do clube esportivo onde nosso homenageado fez história é tradicionalmente caracterizado por um personagem de cartola trajando as cores verde, branca e grená. O figurino da ala “Fidalguia Tricolor” se utiliza da estilização do referido personagem para compor o figurino que faz menção ao Fluminense.
Ala 14 – Bateria ÁRBRITOS DA FOLIA
Em toda disputa de futebol há um árbitro. É ele quem comanda o jogo e impõe a regra. Por entendermos que quem “comanda” o desfile é a bateria, nossos ritmistas apresentam-se como os “Árbitros da Folia.” O figurino segue a linha que caracteriza a estética de nossa apresentação: A estilização do figurino de época, no caso um juiz de corte, associada à inspiração futebolística característica dos árbitros esportivos. No jogo que propomos “a regra é clara:” A ordem da Imperatriz é sambar.
Ala 15 – Passistas BANDEIRINHAS NA MARCAÇÃO
Dando continuidade a apresentação do “time técnico escalado” pela Imperatriz Leopoldinense, após a apresentação dos “árbitros” representados por nossos ritmistas, a ala de passistas apresenta-se como os “Bandeirinhas” que atuam com ginga e alegria em nosso carnaval de inspiração futebolística.
Ala 16 – A NOBREZA CRUZMALTINA
Principal rival do clube esportivo onde o astro rubro-negro que homenageamos fez história, o Vasco da Gama é apresentado através do figurino que estiliza a figura de um nobre trajando a coloração oficial do time – o preto, o branco e vermelho - e ostenta no estandarte que carrega, a emblemática cruz de malta que caracteriza o referido clube futebolístico.
Ala 17 – COMBATENTES DO REI RUBRO-NEGRO
Pela excelência esportiva e pelos méritos conquistados nos campos de batalha, os jogadores rubro-negros são concebidos esteticamente como um grupo de combatentes que apresentam as cores associadas ao Flamengo – o vermelho e o preto – para compor o figurino da ala “Combatentes do Rei Rubro-Negro.” Coreograficamente se utilizam do escudo que carregam para comporem a imagem do “rei” rubro-negro, o homem que homenageamos no carnaval que desfila.
Alegoria 04 REI COROADO NO TEMPLO DO FUTEBOL
Poucos estádios do mundo podem se gabar de ser também um monumento histórico. O estádio Mário Filho, mais conhecido como Maracanã, abrigou momentos inesquecíveis da história do futebol carioca e brasileiro. Considerado o palco principal do futebol nacional, é lá, que a carreira do homem que homenageamos ganha notoriedade e prestígio. Tido como uma espécie de “templo” pelos torcedores cariocas, local onde a paixão nacional pelo futebol é expressa pelas “massas” populares do Rio de Janeiro, o estádio é apresentado no Desfile Leopoldinense como uma espécie de “Coliseu” onde a rivalidade e o duelo entre os principais clubes cariocas é a atração. Em função disso, os esportistas futebolísticos são apresentados como gladiadores e Zico é revelado como um rei coroado, esculpido em dourado, que emerge da estrutura cenográfica que estiliza o “maracanã” para enaltecer o fato do esportista homenageado ser o maior artilheiro da história do estádio, tendo a marca de 333 gols realizados. Na traseira do carro, uma partida de futebol vertical dá o tom esportivo da alegoria.


QUINTO SETOR – DA EUROPA AO ORIENTE (CAMINHANDO MUNDO A FORA)
Depois do Brasil, prosseguiu conquistando o carinho de outras legiões de apaixonados. Também foi consagrado na Itália, no Japão e na Turquia.

Ala 18 – Amar é Viver A ITÁLIA SAÚDA O REI
Um dado amplamente difundido sobre a trajetória profissional do personagem que apresentamos como enredo é sua bem sucedida carreira internacional. A primeira ala do setor que trata essa questão aborda a passagem do homenageado pela Itália, onde atuou como jogador no clube Udinese. A ala revela o uso das cores da bandeira italiana, bem como, a inspiração dos trajes típicos associados à cultura local, para compor o figurino do conjunto que desfila.
Ala 19 – Surgiu no Ato REVERÊNCIA GREGA AO REI
Para abordarmos a atuação do homenageado durante sua passagem profissional pela Grécia - onde liderou o clube Olympiakos – fazemos uso da estilização da indumentária atribuída aos soldados gregos, associada às cores e aos emblemas pertencentes ao clube onde o futebolista atuou como treinador.
2º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira CAMINHANDO MUNDO AFORA
Ala 20 – A TURQUIA DANÇA PARA O REI
Contratado para treinar a equipe turca do Fenerbahçe, Zico ganha em sua primeira temporada o campeonato local e, na seguinte, leva equipe as quartas-de-finais da Liga dos Campeões da UEFA. Em função do feito alcançado, é festejado na Turquia. Para abordarmos a adoração que o povo turco possui pelo homenageado, apresentamos - através da dança e da tradicional figura dos “dervixes” – a ala coreografada “A Turquia dança para o rei.”
Ala 21 – A RÚSSIA EM FESTA
Atuando como técnico esportivo, leva o time CSKA Moscou a conquistar a Copa e a super Copa da Rússia. O figurino da ala se utiliza de elementos estéticos característicos do imaginário cultural russo para abordar a atuação do futebolista homenageado no país em questão.
Ala 22 – Alas das Damas HONRARIA JAPONESA
As damas de Ramos apresentam-se com um figurino inspirado na tradicional figura de uma gueixa. A ala inclui em nosso desfile o mais significativo dado da carreira internacional do ídolo homenageado: a consagração de sua atuação como jogador e técnico no Japão. Considerado uma espécie de embaixador do futebol no país, Zico é historicamente apontado como o responsável pela popularização do esporte na terra do sol nascente
Alegoria 05 O DEUS DO SOL NASCENTE
O futebol já existia no Japão antes da chegada de Zico para atuar no Kashima Antlers. No entanto é inegável que o craque do Flamengo é a figura mais importante da história da modalidade na Ásia. O futebol tornou-se profissional um ano e meio após sua chegada ao país, sendo o astro esportivo considerado uma espécie de embaixador das atividades futebolísticas na “terra do sol nascente.” A partir do sucesso do camisa dez, a liga japonesa cresceu, evoluiu e conquistou fãs. "Jico" - como é chamado no Japão - virou estátua de bronze e tornou-se um símbolo emblemático da cultura futebolística japonesa. Sendo assim, encerrando o setor que trata de sua carreira internacional, a alegoria “O Deus do Sol Nascente” insere a figura do astro esportivo ao contexto cultural japonês através da reprodução de sua imagem esculpida em ouro, junto ao desenvolvimento artístico de objetos e formas que são tradicionalmente associados à cultura do Japão.
Convém destacar ainda a inspiração do trabalho da artista japonesa Yayoi Kusama para a construção da alegoria, bem como, o respeito a folclórica tradição japonesa de apresentar “Darumas” – objeto tido como amuleto de sorte - com a pintura de apenas um único olho, esperando que um “pedido” se concretize para que o “outro olho” se apresente completo. O pedido da Imperatriz Leopoldinense é o Campeonato!

SEXTO SETOR – A CORTE RUBRO-NEGRA
A festa de aniversário começa entre companheiros de campanhas memoráveis pelo Flamengo…
Ala 23 – Compositores HOMENAGEM A LAMARTINE
Aos compositores Leopoldinenses foi dada a tarefa de transformarem a história do homenageado em samba-enredo. Sendo assim, em nossa apresentação, eles abrem o setor que apresenta a corte rubro-negra. Incorporados à estrutura do desfile, os poetas de Ramos vestem as cores do reinado do homenageado cuja história pessoal apresentamos ao longo do desfile. Em paralelo, homenageiam o compositor Lamartine Babo - autor dos hinos dos times cariocas, incluindo os famosos versos do hino rubro-negro – ao levarem sua imagem estampada junto ao peito.
Ala 24 – Crianças O MASCOTE RUBRO-NEGRO
Por sua história de perseverança, o ídolo esportivo homenageado em nosso carnaval, é exemplo para jovens que enxergam na carreira futebolística uma possibilidade de crescimento profissional e pessoal. Em função disso, os jovens da ala das crianças de Ramos apresentam-se como o símbolo que marca a presença rubro-negra no universo infanto-juvenil: seu “mascote” oficial, criado a partir da visão infantil de um urubu.
Ala 25 – REALEZA RUBRO-NEGRA
O figurino da ala se utiliza de componentes estéticos que sugerem realeza para apresentar a figura de um nobre construído a partir de elementos que fazem menção ao clube esportivo onde o homenageado deixou sua história marcada de forma definitiva. A ala “realeza rubro-negra” abre caminho para que as cores associadas ao Flamengo se apresentem na Avenida.
Ala 26 – AMIGOS DO REI
Ainda no contexto rubro-negro, a ala apresenta os súditos pertencentes à “nação” comandada pelo jogador que apresentamos como “rei.” Como no dia de hoje é comemorado o aniversário do homenageado, seus súditos são os amigos que o rei convida para a festa que a Imperatriz Leopoldinense promove.
Alegoria 06 TEMPLO RUBRO-NEGRO
Homenageado no carnaval carioca pela Imperatriz Leopoldinense, Zico tem sua trajetória pessoal contada através de um enredo que associa sua imagem a figura de um soberano. Esse “reinado” está definitivamente associado ao período em que se consagrou no futebol carioca como o líder carismático da prestigiosa escalada de sucesso do clube onde sua atuação fez história. O astro esportivo defendeu o Flamengo durante a maior parte de sua carreira - entre 1967 e 1989. Liderou a conquista de quatro títulos nacionais, da Taça Libertadores da América e do Mundial Interclubes, consagrando o que ficou popular como a "Era Zico". Por conta disso, até hoje é o maior ídolo da torcida rubro-negra, sendo considerado pelos torcedores uma espécie de Rei. A sexta alegoria apresenta o templo rubro-negro e revela ícones tradicionalmente associados ao clube para abordar a relação de paixão entre o homenageado e o referido clube. À frente, a imagem de Dida – craque do time e ídolo de Zico - aparece cercada por ilustres torcedores. O grande urubu que sobrevoa a cenografia desenvolvida em tons rubro-negros revela o símbolo máximo associado ao clube esportivo.


SÉTIMO SETOR – IMPERATRIZ: A CORTE VERDE, BRANCA E DOURADA
O desfile culmina com a recepção calorosa na Corte onde estão guardadas emoções de tantos carnavais.
Ala 27 – Velha Guarda RELÍQUIAS DA CORTE
Abrindo o setor que traz a corte de Ramos para festejar o aniversário do rei e encerrar a homenagem que a Escola se propõe a realizar, nossa velha-guarda abre caminho para o desfile das cores e das formas que revelam a “corte Leopoldinense.” Nesse contexto, eles representam a memória mais viva daquilo que carregamos como essencial. São as mais tradicionais “joias verdes” da coroa que guardamos como símbolo.
Ala 28 – Baianinhas TESOURO DE RAMOS
Vestindo o verde, o branco, e o ouro que tinge nosso pavilhão, a ala das baianinhas de Ramos revela o espírito carnavalesco de nossos dias de glória. Traduzem através do capricho do seu figurino, confeccionado a partir da releitura clássica da tradição estética da Escola, o gosto pelo requinte e pela minúcia que marcam a plástica carnavalesca que consagrou a Imperatriz Leopoldinense.
Ala 29 – Ala de Casais / Comunidade A IMPERATRIZ E O REI
A síntese do enredo que apresentamos se dá através do figurino duplo concebido para ala de casais “A Imperatriz e o Rei.” De um lado, a visão estilizada de um jogador de futebol esteticamente e estilisticamente apresentado como um soberano. Do outro lado, a visão carnavalizada da Imperatriz Leopoldinense, personagem tradicionalmente citada ao longo dos desenvolvimentos conceituais da agremiação como a personificação individual da Escola. O encontro dos dois personagens apresentados sob uma coreografia que sugere reverência mutua, traduz a relação cortês entre o homenageado e a instituição que o homenageia.
Ala 30 – A CORTE DA IMPERATRIZ EM FESTA
Através de uma ala de figurino misto, a Imperatriz Leopoldinense convida sua corte a participar da homenagem que presta ao ídolo futebolístico que apresentamos ao longo do desfile sobre a condição de “rei.” Sua corte é a corte do carnaval. Personagens típicos e tradicionalmente associados aos festejos de Momo se apresentam com as cores e o requinte estético que marcam a plástica consagrada da Escola da Leopoldina. Pierrôs, Colombinas e Arlequins colorem a Avenida com o mesmo verde, branco e ouro, que tinge nosso pavilhão.
Alegoria 07 AO REI, A JÓIA DE RAMOS!
Encerrando a apresentação Leopoldinense, a tradicional “coroa” – símbolo máximo da Agremiação de Ramos – é oferecida como presente ao “Rei” que homenageamos ao longo do desfile. Como o samba sugere, “hoje, mais do que nunca é o seu dia.” O homem tema de nosso enredo completa mais um ano de vida no exato momento em que a Escola Leopoldinense se apresenta. A corte da Imperatriz está em festa, e a alegoria que encerra o cortejo, traz o esplendor de uma “joia” concebida com o que há de mais característico no estilo barroco, estética consagrada na identidade artística da Escola


Grupo no Facebook

Eu nunca tinha criado um grupo do facebook, mas criei para testar.
Até pensando na futura apuração do concurso. É um grupo aberto, quem desejar basta ingressar.

Concurso de Enredos no Facebook! (clique para visitar)

Modelo de enredo

Na falta de um modelo para apresentar, peguei um enredo de escola de samba do carnaval desse ano e adaptei para o formato do concurso. Esse "modelo" é parte do texto do enredo da Grande Rio disponível no Abre Alas, só foi adaptado para servir de modelo do que mais ou menos esperamos encontrar no concurso.

Observações: Não trata-se de observar um enredo perfeito no conteúdo (não está em julgamento se o enredo da Grande Rio é bom ou não) e sim a forma, sugestão de como pode ser apresentado o enredo no concurso.

Verdes Olhos Sobre o Mar, No Caminho: Maricá



INTRODUÇÃO:
O enredo “Verdes olhos de Maysa sobre o mar, no caminho: Maricá” foi construído com base em dois fundamentos: a história de uma cidade e a relação de uma artista brasileira que teve sua vida pessoal enlaçada com essa região. Para ilustrar artisticamente esse desenvolvimento, foi elaborada uma sinopse que apresenta importantes dados históricos ocorridos ao longo dos 200 anos da fundação da cidade Fluminense, tendo como fio condutor, a relação apaixonada de uma artista sensível, que encontrou na localidade, o refúgio seguro para dar início a uma nova vida.
 A seguir, a sinopse que ilustra de forma poética o enredo que a Acadêmicos do Grande Rio propõe para o Carnaval 2014:

SINOPSE:
“Verdes olhos de Maysa sobre o mar, no caminho: Maricá”
A estação que inspira é o verão…
Nas primeiras horas de uma manhã de sol, ela desperta depois do que havia programado. O corpo ainda se sente envolvido pelo ócio da noite anterior. Apressadamente, aproxima-se da janela e vislumbra as primeiras nuances luminosas do despertar de um novo dia. O brilho invade o ambiente outrora escuro pela noite e a claridade reflete na retina de seus olhos verdes. É a vida dando ao destino nova chance de refazer o fim da história. Quem sabe, nova fase, cantada em outro tom.
O sol aquece seu corpo na varanda da casa. Ela se dirige ao piano e algumas notas ecoam. No bloco de folha branca inicia o seguinte rascunho:
“Verdes olhos sobre o mar, a brisa a me levar nas asas do tempo!
Doce é este lugar, onde o chão guarda suas memórias
E a fé multiplica-se nas águas!
No firmamento a benção de teu “amparo”
Nos livros, páginas passadas que falam de sua história…”
O vento soprou mais forte e fez com que os cabelos se tornassem empecilho para os olhos. O som do piano cessou, o pensamento foi longe, e ela reacendeu a inspiração dos versos: 
“Confesso que nem tudo vi!
Quando sua beleza fascinou o inglês pela manhã, tudo era verde e eu não estava lá! Abre-Alas – G.R.E.S. Acadêmicos do Grande Rio – Carnaval/2014
Do seio de fertilidade da mata, do zum-zum-zum dos seres que lhe encantaram. Da visão noturna do que há pouco era dia, herdei as noites “negras” .Tornei-me dona das estrelas que emolduravam o céu que foi dele…”
Ainda é manhã e sobre o mar o “barquinho” risca o horizonte. Ela cessa novamente o som do piano e instaura um demorado silêncio. Seus olhos verdes, são mais verdes quando fitam o mar. O canto do sabiá rompe a ausência do som. Ela retoma os versos:
“Ai quem me dera ver tudo
Lançar-me no passado
Correr em tuas plantações verdes, provar de tua laranja mais doce
Faze-la outra vez cidade que já foi terra de muitos
Que Darwin passou, que o trem prosperou
Hoje meu verso é em tua homenagem, é canção para um samba que em mim é sempre
carnaval…”
O vento continuou soprando em seus ouvidos a inspiração para compor:
“A praia o terno convite:
O sol, as ondas, o banho de mar e o surfista solitário que corta as ondas como quem borda no Espraiado
 No Barquinho corro o mundo, volto e olho: não consigo me acostumar
Não ando só na imensidão, como tantos vem e todos vão, entre idas e vindas
Daqui ou de qualquer lugar, só fui feliz em Maricá.”
As linhas estavam no papel encontrado entre a casa e o mar. Como assinatura lia-se
um “M” maiúsculo, seguido de um “A” emendado em um “Y” um “S” e encerrado
com um “A”. No fim da folha encontrada, lia-se: MAYSA.

Autores: Leandro Vieira e Roberto Vilaronga

Desenvolvimento:
Adiante, uma breve apresentação da setorização histórica desenvolvida para embasar o
desenvolvimento do enredo proposto pelo GRES Acadêmicos do Grande Rio.

Primeiro Setor – O mar, a brisa e o som do piano.
Podemos classificar nosso primeiro setor como a “Inspiração para novos tempos”. Maysa trazia na sua bagagem ao chegar a Maricá a esperança de viver dias melhores. Levou tudo, e montou sua vida lá. Fez do piano - que era um sonho de menina – sua companhia, se apaixonou pela cidade, e por sua casa com vista para o mar. Além de várias atividades, Maysa contava histórias locais aos filhos dos pescadores da região. Daí nosso ponto de partida: Ela nos contará a história da cidade fluminense.
Comissão de Frente  - PRAIA À VISTA
1º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira - O BRILHO DO SOL E DO MAR
Guardiões do 1º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira - A BRISA
Ala 01 – O SOM DO PIANO
Alegoria 01 - O INÍCIO DE UMA HISTÓRIA À BEIRA-MAR

Segundo Setor – “Maricaah” – Uma cidade de histórias pra contar.
A partir da sinopse apresentada fica claro que quem narra os fatos históricos ocorridos ao longo dos duzentos anos de fundação da cidade é a cantora popular. Assim, o segundo setor trata o universo dos nativos, bem como a formação cultural e a ocupação territorial da região. Historicamente, Maricá ganha grandiosidade com a entrega das sesmarias aos colonizadores. A partir daí a cidade passa a ser ocupada, para mais a frente, o padre José de Anchieta chegar à localidade com a intenção de ensinar aos índios Tamoios, a filosofia cristã que a Companhia de Jesus disseminava no Brasil.
Ala 02 – Comunidade - DOAÇÃO DAS SESMARIAS
Ala 03 – ÍNDIOS TAMOIOS
Ala 04 – CARTAS NÁUTICAS
 Elemento Alegórico - NAU DA FÉ
Ala 04 – CARTAS NÁUTICAS
Ala 05 –FIÉIS
Ala 06 – Baianas -NOSSA SENHORA DO AMPARO
Alegoria 02 - O AUTO DA FÉ

Terceiro Setor – Um olhar inglês no caminho de Maricá
Dois séculos mais a frente, Maricá recebe a visita ilustre do Naturalista Inglês, Charles Darwin. Com sua expedição ele desbrava a Serra da Tiririca – reserva de Mata Atlântica na cidade - e usa parte dessa pesquisa na elaboração de sua consagrada obra: A Origem das Espécies.
Ala 07 – EXPEDICIONÁRIOS
Ala 08 – ESPINHEIRO MARICÁ – “MIMOSA SEPHARIA”
Ala 09- JOANINHA – “COCCIENELLA  SEPTEMPUNTAT”
Ala 10 – BORBOLETAS - “MACULINEA ALCON”
Ala 11 –GAFANHOTOS – “SCHISTOCERA GREGÁRIA”
Ala 12 –FORMIGAS – “CAMPONOTUS”
Alegoria 03 - ESTUFA DE ESTUDOS DARWINIANOS

Quarto Setor – Das noites negras, uma nova visão
Hospedado por uma noite em uma fazenda da região, Charles Darwin toma conhecimento da existência de animais noturnos e lendas regionais que direcionam sua percepção fantasiosa de uma Maricá sombria, iluminada apenas pela luz da lua.
Ala 13 –SAPOS
Ala 14 –  CORUJAS: A AVE NOTURNA
Ala 15 – PASSISTAS - MARIPOSAS
Ala 16 –BATERIA - DARWIN E OS VAGALUMES
Ala 17 –MORCEGOS
Ala 18 – A LENDA DO LOBISOMEN
Alegoria 04 - NOITES NA FAZENDA

Quinto Setor – Memórias de um trem chamado progresso
Pré-dispostos a conseguirem escoar toda a produção pesqueira e agrícola, os comerciantes locais se juntam e tornam viável a inauguração da Estação de trem da Cidade. Marco no desenvolvimento econômico da região, a linha férrea garante o fluxo comercial da cidade com o restante do Rio de Janeiro.

Ala 19 – A TOQUE DE GADO
2º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira - PRODUÇÃO CANAVIEIRA
Ala 20 – CANAVIEIROS
Ala 21 – VENDEDOR DE BANANA
Ala 22 – CULTIVADORES DE LARANJA
Ala 23 – PESCADOR DE ARAÇATIBA
Alegoria 05 - UM TREM CHAMADO PROGRESSO

Sexto Setor – Entre o brilho do sol e o barulho do mar, um paraíso chamado Maricá
Encerrando o desfile que apresentamos, o sexto setor revela a Maricá agradável e bucólica que Maysa conheceu. Cidade de turistas, surfistas e banhistas ao mar. A cidade das Senhoras Bordadeiras do Espraiado. Terra de culinária farta onde prevalece o pescado. Apresentamos os anos dourados de Maricá com o charme característico da década de 70.
Ala 24 – Compositores ANOS 70
Ala 25 –TURISTAS
Ala 26 – FESTIVAL DE PESCA
Ala 27 –SENHORAS BORDADEIRAS DO ESPRAIADO
Ala 28 – PEIXES EXÓTICOS
Ala 29 – BANHISTAS
Alegoria 06 -SÓ FUI FELIZ EM MARICÁ
Ala 30 – Velha Guarda da Grande Rio - DECLARAÇÃO DE AMOR


OBSERVAÇÕES: Esta é apenas um sugestão de modelo. 
Por exemplo: O autor poderá apresentar a Sinopse junto com  o desenvolvimento as alas. 
Qualquer tipo de dúvida basta perguntar. Como comentário ou enviando e-mail

domingo, 16 de março de 2014

QUESITO EXPLICAÇÃO DO ENREDO

QUESITO EXPLICAÇÃO DO ENREDO 
(atenção: Depois de refletir resolvi mudar o nome do quesito, acho que fica mais claro para o julgador o que ele deverá analisar nesse quesito)





Este quesito irá avaliar o texto que conta o enredo, este texto será encontrado depois da introdução e deverá explicar e fazer desenvolvimento teórico do enredo proposto.

Este texto pode se apresentar na forma de argumento, histórico do enredo com justificativa do enredo, também pode apresentar-se sob a forma de sinopse ou um texto mais extenso e detalhado. A forma do texto é livre, sendo prosa, verso, misturado, o que o autor achar melhor.

O julgador deverá analisar:
- Todo o conteúdo contido nesse texto, o texto deverá ser claro, que conte o enredo de forma criativa, coerente e interessante;
- A forma que o autor contou o enredo, a harmonia, tudo tem que estar de acordo com o tema enredo e bem claro cada elemento presente;
- Informações polêmicas devem ser bem justificadas;
- O texto não pode conter informações erradas sobre o tema proposto e assuntos nele contidos;
- Analisar a harmonia com o desenvolvimento do enredo e introdução.

O julgador deverá desconsiderar:
- Pequenas falhas de português (ou digitação), salvo aquelas falhas freqüentes e que comprometem o entendimento do enredo.
- Penalizar falhas de Título, Desenvolvimento e Introdução apenas nos quesitos correspondentes e não na quesito Explicação do Enredo.

Informações adicionais importantes sobre as questões levantadas:

- O importante que temos que destacar é que como estamos em um concurso, resumido, ou não, esperamos encontrar um enredo e não pedaços de um enredo, ou seja, ele não pode esconder suas partes, seus capítulos. Não podemos confundir com a sinopse que as escolas divulgam que muitas vezes até escondem surpresas do desfile, devemos comparar com o Abre-Alas do desfile oficial. A hora de mostrar o valor do enredo no concurso será essa. Se faltar pedaços, explicações de alas, tudo irá penalizar no quesito.

- É momento de ao contar o enredo, desfazer todas dúvidas, o julgador ao ler o enredo precisa entende-lo, um texto claro e bem encadeado.

- Alguns enredos apresentam SINOPSE e desenvolvimento em um único texto, o CONCURSO aceita enredos assim. Nestes casos o julgador avaliará se o texto do enredo conseguiu cumprir as necessidades básicas exigidas pelo regulamento.

- O texto também deve servir para convencer, justificar o tema e sub-temas abordados, o jurado concordando, ou não, com as idéias apresentadas, precisa visualizar um embasamento teórico nesse texto realizado pelo autor do enredo. Ex: Se eu quero dizer que o Índio foi quem descobriu o Brasil, eu vou precisar justificar isso. Afinal alguém pode questionar: Mas não foi Pedro Álvares Cabral que descobriu o Brasil? Uma pequena explicação sobre isso pode elucidar a dúvida sobre a questão. Afinal, sobre o ponto de vista de muitos autores, existe o argumento que muito antes de Cabral desembarcar no Brasil, os índios já estavam por aqui, se eles já estavam aqui, foram eles que descobriram o Brasil. E Cabral pode ser considerado no enredo não um descobridor, mas um invasor. Assim em casos semelhantes, é esperando encontrar no TEXTO do enredo, no mínimo, uma explicação simples como neste exemplo para justificar um tipo de afirmação como essa de que foi “índio que descobriu o Brasil”, que “Cabral é um invasor da terra do índio”.

- Não julgar o número de páginas de um enredo, excesso ou texto muito curto, o julgador deve procurar observar se a explicação do texto foi suficiente. Analisar o conteúdo, a qualidade, não o tamanho dele.

- A análise da exploração temática deve ser feita no quesito respectivo, o quesito explicação do enredo julga a explicação e qualidade dessa explicação. Pontos importantes do enredo ignorados no Texto do Enredo e Desenvolvimento deverão ser penalizados no Quesito Tema e Exploração Temática.

-Para não duplicar as penalidades recomendamos: Que a presença de alas e carros com relação ausente no TEXTO DO ENREDO terão que resultar em penalidades na explicação do enredo. Enquanto a ausência de alas e carros que representam determinadas informações que constam no TEXTO do enredo devem ser penalizadas no quesito Desenvolvimento.

Por exemplo: Se em uma Sinopse de um enredo o autor fala no seu setor 5 sobre os Três países da América do Norte e conta um pouco sobre cada um deles, explicando a sua importância no enredo, mas chega no desenvolvimento e dá uma ala somente para  os Estados Unidos e outra para o Canadá e esquece o México, não lembrando desse país nem no carro do Setor.  Está nesse caso caracterizando a AUSÊNCIA de um elemento no desenvolvimento, pois a Sinopse prometeu que o enredo neste setor tratava de todos os Países da América do Norte. Assim o Desenvolvimento será punido, mas a Explicação do enredo ficará livre dessa penalidade, pois cumpriu o que foi pedido, trouxe informações sobre o México, o erro foi não ter sido representado nas alas.
Se no caso aparecer no Desenvolvimento desse setor uma ala representando Cuba (pais da Am Central) e este não era citado em nenhum momento em nenhum texto do enredo, está caracterizada PRESENÇA de elemento no desenvolvimento contraditório ao argumento apresentado. Se pelo menos, no desenvolvimento não existir nada que explique a presença de Cuba no enredo, será caracterizada a penalidade no quesito EXPLICAÇÃO DO ENREDO. Que pode ainda ser evitada, se pelo menos no desenvolvimento, aparecer uma explicação convincente.
- Não somos um concurso de redação, por isso é recomendado que a exigência com a norma culta, aspectos da língua portuguesa sejam moderados. Com exceção de casos gritantes que prejudiquem o entendimento do enredo.
- Alguns enredos podem apresentar resumo e texto completo. Isto é aceito, muitos ficam na dúvida se apresentam um texto curto ou extenso e bem explicado. 

Marcadores